CONHEÇA O COPE

OPERAÇÃO DOS SATÉLITES GEOESTACIONÁRIOS

centro de operações espaciais

Estrutura terrestre de Operação Satelital é composta por 5 Gateways

O Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), localizado em Brasília/DF, é um conjunto de edificações composto para operar e monitorar o SGDC.  Além do uso estratégico militar em Banda X, também opera em Banda Ka, viabilizando internet banda larga para milhares de brasileiros nos programas de inclusão digital e acessibilidade do Governo Federal.

Dotado de dupla abordagem óptica e redundância de todos os seus sistemas de infraestrutura crítica (energia, climatização, segurança, conectividade), o projeto do COPE-P da Telebras/Defesa possui certificação TIER IV e foi totalmente desenvolvido em Building Information Modelling (BIM), tecnologia pioneira no setor público brasileiro. São  14.000m² de área construída, sendo  4.500m² de bloco técnico operacional.

A Estrutura terrestre de operação do satélite compreende 5  gateways:

2 centros de operações com funções mistas (controle e gateway): COPE-P (principal) em Brasília, e o COPE-S (secundário), no Rio de Janeiro; e

3 gateways: em Campo Grande, Salvador e Florianópolis.

 

COPE-P
Centro de Operações Espaciais Principal-Brasília
COPE-S
Centro de Operações Espaciais Secundário-Rio de Janeiro
Gateway-Campo Grande
Estação de Acesso Gateway Campo Grande-MS
Gateway-Florianópolis
Estação de Acesso Gateway Florianópolis-SC
Gateway-Salvador
Estação de Acesso Gateway Salvador-BA
Anterior
Próximo

Conheça nossas Gateways

COPE-P Um Centro de Operações para vários satélites

Construído para servir como centro de controle para o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), e com disponibilidade para atender diversos satélites geoestacionários e de baixa órbita, o Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P) é referência nacional e internacional, pela complexidade e modernidade de suas instalações. 

 

A infraestrutura do COPE-P foi projetada para o controle de, ao menos, três satélites geoestacionários e de um plano de lançamento de 26 satélites não geoestacionários. É integrante de um programa satelital composto por vários satélites que têm suas vidas úteis estimadas em 15 anos, de forma que a cada 5 anos do lançamento de um deles, tem-se planejado o lançamento de um novo artefato. Dessa forma, fica evidente que o COPE-P está destinado a ser operado por um longo período, respaldado pelos projetos estratégicos demandados pelo Governo Federal.

Certificação TIER IV

O design do COPE-P recebeu, em agosto de 2016, a certificação de projeto TIER IV do Uptime Institute, localizado em Seattle, Estados Unidos. A classificação TIER IV é o mais alto nível de disponibilidade e confiabilidade que um data center pode oferecer numa instalação de missão crítica. É conhecida como Fault Tolerant (tolerante a falhas), que significa que o site é imune a qualquer paralisação de infraestrutura. Esta certificação conquistada pela Telebras foi concedida de forma inédita a uma empresa do setor de telecomunicações no Brasil. O COPE-P é o segundo datacenter no Brasil a possuir certificação TIER IV e o primeiro  no setor público brasileiro.

Construído com Tecnologia  BIM

O COPE-P teve seu projeto desenvolvido utilizando a tecnologia BIM (Building Information Modeling), ferramenta que fornece maior transparência nos custos, no controle das implantações, na gestão e monitoramento da obra.  Ao evitar o desperdício e o retrabalho com a detecção de interferências ainda na fase de projeto, a execução de obras públicas ganha significativa eficiência. O BIM contribui ainda com o controle de informações sobre os equipamentos e seus respectivos ciclos de vida auxiliando na manutenção eficiente de prédios públicos. Na obra do COPE, teremos em formato BIM 6D, informações referentes ao controle físico-financeiro da obra, e informações sobre ciclo de vida, manutenção e garantias de todos os equipamentos do data center.

Veja também

Saiba como a Telebras é capaz de conectar todos os municípios do país.

conheça o sgdc

Saiba mais sobre o  SGDC, um dos maiores projetos de telecomunicações no Brasil dos últimos 20 anos.