“Estamos transformando as políticas públicas de inclusão digital, através do SGDC”, diz diretor da Telebras, em Congresso Latinoamericano de Satélites

14 de agosto de 2018

Encontro discute o presente e o futuro do mercado satelital

Começou na manhã desta terça-feira, 14, no Hotel Windsor Barra, no Rio de Janeiro, o 17º Congresso Latinoamericano de Satélites. Entre os participantes de hoje estão o diretor Comercial da Telebras, Alex Magalhães e a gerente geral da Viasat para o Brasil e vice-presidente para a América Latina, Lisa Scalpone. Eles fizeram parte de um painel sobre as perspectivas para o satélite brasileiro em uso comercial. O evento segue até amanhã, 15.

Para Alex, o objetivo do Satélite Geoestacionário Brasileiro, SGDC, é o de dar ao governo federal as condições de cumprir seu papel social e de retribuir para a sociedade os impostos que foram recolhidos e aplicados no equipamento.

“Está no DNA da Telebras massificar a banda larga, atender o Brasil como um todo e dar condições para a sociedade e também aos órgãos de governo, para que consigam melhorar ainda mais a sua gestão, reduzir gastos e aplicar recursos nas áreas essenciais. O SGDC oferece esta oportunidade”, lembra.

Segundo ele, tanto o Satélite quanto a rede terrestre de fibra óptica da Telebras estão atendendo as necessidades de governo e é por esse motivo que a empresa vem renovando contratos na esfera federal. “O Decreto está colocado para todos e é neste sentido que estamos trabalhando.”

O Internet para Todos, um dos carros chefes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, tem o objetivo de levar banda larga para comunidades desassistidas. Na oportunidade, o diretor Comercial enfatizou que o programa chegará a mais de 5 milhões de pessoas, em 40 mil localidades que não têm nenhum tipo de conexão, nem mesmo telefone fixo.

“Queremos dar condições para que a internet chegue com um valor acessível. Assim que o SGDC estiver operacionalizando poderemos cumprir o contrato Gesac e levaremos internet às escolas, postos de saúde e áreas de fronteira de nosso país.”

Ele fez referência ao período em que o Satélite está sem uso por conta do processo judicial que ainda impede a operacionalização do SGDC. “Se tivéssemos mantido o cronograma de instalação desde março deste ano, hoje mais de 6 mil escolas já teriam as antenas instaladas, o que representa mais de um milhão de alunos que não têm como receber o sinal”, lamentou.

Alex citou outras áreas que irão ganhar atenção do governo a partir da conectividade via Satélite da Telebras. “Queremos investir no serviço ao cidadão com uma carteira digital, que é uma bandeira do Ministério do Trabalho, para que, com isso, o Brasil passe a ter um banco de dados previdenciário. Também queremos melhorar o acesso que a plataforma Dataprev tem, levando as consultas de beneficiários, pensionistas e aposentados a uma atualização rápida e precisa. Um dos objetivos é conectar, ainda, os órgãos que tratam a biodiversidade brasileira, como Ibama, ICMBio, serviço florestal brasileiro, e todos os órgãos envolvidos, para que tragam resultados para a biodiversidade, catalogando, fiscalizando e permitindo que os recursos sejam controlados e investidos, aonde, de fato, sejam necessários. Precisamos conectar vários serviços, inclusive as penitenciárias que ficam em locais remotos. E, com a mesma ênfase, dar uma atenção especial ao agronegócio, setor que garante o PIB brasileiro. Sem conectividade as aplicações via IOT não poderão alcançar a cadeia produtiva do agronegócio. Estamos tentando transformar as políticas públicas, usando o SGDC”, concluiu.

Também estão presentes, representando a Telebras no evento, o diretor Técnico-Operacional, Roberto Pinto Martins; o chefe de Gabinete, Luiz Fernando Ferreira Silva; e os gerentes Sebastião do Nascimento Neto, de Engenharia de Operação de Satélites; Bruno Henriques Soares, de Tecnologia e Soluções Satelitais e Hélcio Vieira Júnior, de Relacionamento com Operadoras e Parceiros.

Viasat: parceira comercial da Telebras

Já Lisa Scalpone lembrou que a empresa americana sente-se honrada em fazer parte da indústria de internet do Brasil. “Estamos convencidos de que a conexão de internet oferecida pelo satélite SGDC vai trazer grandes benefícios para os brasileiros. O foco da Viasat sempre tem sido conectar os desconectados. Nós, da Viasat, estamos muito entusiasmados para iniciar este trabalho no Brasil.”

Para reforçar a parceria de negócios com a Telebras, Lisa falou sobre a empresa americana, explicando que a Viasat é constituída por 5 mil funcionários. Scalpone contou que a empresa existe há 30 anos e que foi fundada por Mark Dankberg e Mark Miller, na garagem de casa do Mark Dankberg. Mark Dankberg ainda é o CEO, e o Mark Miller é ainda nosso CTO. Foi Miller quem desenhou todos os nossos satélites”.

Pioneirismo

“Fomos a primeira empresa a oferecer internet por satélite por 50 dólares economicamente acessível para as massas. Outro exemplo, é que fomos os primeiros a fornecer conexões de rede WiFi por 1 ou 2 dólares como algo que é de nosso interesse investir globalmente. Estamos construindo dois satélites com capacidade em terabits. Nesta perspectiva estamos continuamente buscando novos desafios”, enfatizou.

Visiona

Pela parte da manhã, após a abertura do evento, o presidente da Visiona, João Paulo Campos, fez palestra sobre ‘Modelo de novos satélites’.

O mundo dos satélites está mudando radicalmente. Novas constelações de média e baixa órbita (MEO e LEO) abrem novas possibilidades.

João Paulo abordou o tema, discutindo a chegada da era dos nanosatélites e suas novas utilidades, além da comunicação tradicional.

Sobre o evento:

O Congresso Latinoamericano de Satélites é o principal e mais relevante evento para o mercado de satélites da América Latina. O evento congrega mais de 300 participantes, incluindo os principais executivos das operadoras globais de satélite que atuam no Brasil, convidados internacionais, reguladores, governo e usuários nas áreas aeroespacial, transporte aeroviário, óleo e gás, setor financeiro, estatais e operadoras de telecom. Há 17 edições, o encontro é presença obrigatória para quem participa da indústria ou demanda soluções.

Na edição deste ano, o foco é o debate ampliado sobre o impacto das constelações LEO e MEO no mercado de satélites de comunicação, as constelações dedicadas a sensoriamento remoto e observação, o chamamento para novas posições orbitais, além dos debates sobre os novos nichos de mercado, como comunicação embarcada, backhaul para redes de telecomunicações, o mercado de vídeo IP entre outros temas.

SGDC é tema de mesa redonda na 70ª Reunião do SBPC

26 de julho de 2018

Esta quinta-feira, 26, foi de debate sobre o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC, durante a programação da Expotec 2018. A exposição faz parte da 70ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Maceió/AL.

A mesa redonda de hoje contou com a presença do gerente de Engenharia e Operação de Satélites da Telebras, Sebastião do Nascimento Neto, e do representante do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Carlos Lino.

O moderador e também palestrante da mesa foi o diretor de Política Espacial e Investimentos Estratégicos da Agência Espacial Brasileira (AEB), Petrônio Noronha de Souza.

Durante o debate o auditório da Expotec ficou lotado. Estudantes e visitantes interagiram com os palestrantes para conhecer mais sobre o Projeto SGDC. Sebastião, que participa do projeto desde a sua concepção, compartilhou com os presentes a importância de um satélite como o SGDC para a nação.

“Estamos falando do primeiro satélite brasileiro, lançado com sucesso e pronto para levar internet de qualidade a todos os recantos do país. Todos temos que ter orgulho de participar deste momento da história do Brasil”, diz.

Escultura do SGDC-1 é inaugurada na Agência Espacial Brasileira

22 de março de 2018

Foi inaugurada na manhã desta terça-feira (20), em Brasília, a escultura do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1). A peça é de autoria do paraibano Percival Henriques, presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital (ANID). A solenidade contou com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, do presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, da Diretoria Executiva da Telebras e do presidente da Agência Espacial Brasileira, José Raimundo Braga Coelho.

Percival também é empresário, físico e bacharel em Direito. Foi diretor técnico do Inmetro/Imeq na Paraíba e é especialista em gestão pública. A escultura do SGDC-1 foi doada à Agência Espacial Brasileira (AEB) pelo artista, após indicação do presidente da Telebrás, Maximiliano Martinhão.

Durante a solenidade, o Ministro Kassab ressaltou o impacto positivo do SGDC na vida cotidiana das pessoas, aumentando a oferta de banda larga para regiões remotas do Brasil e proporcionando segurança estratégica nas comunicações.  Registrou a importância de simbolismos como a escultura para celebrar os esforços dedicados à construção de um país melhor, acrescentando que a obra operava como um marco. “A escultura demonstra aos brasileiros que aqui se trabalha muito”, disse.

A escultura

A escultura pesa 122 kg, e tem 1,60 cm de altura com 3,20 de diâmetro. É composta por dois domos geodésicos sobrepostos construídos com tubos de aço carbono galvanizados. Entre os dois domos foi colocada uma réplica do SGDC, feita de chapa de aço carbono, e preparada com um jateamento de microesferas de aço para receber nanopartículas de zinco, por meio de uma técnica chamada arc spray, que evita a corrosão.

Segundo Percival, a ideia geral da obra, além da representação literal da Terra, da abóboda celeste e do próprio satélite, é que ela seja um tributo à Matemática e, sobretudo, aos homens e mulheres escondidos atrás de cada equação que garantiu o suporte objetivo à manutenção em órbita e operação do SGDC.

Colaboração do Release: Coordenação de Comunicação Social da AEB

Engenheiros da Telebras participam, em Washington, do maior e mais importante evento do setor aeroespacial do mundo

15 de março de 2018

A semana é de aprendizado e troca de experiências internacionais para o gerente de Tecnologia e Soluções Satelitais da Telebras, Bruno Soares Henriques, e para o gerente de Engenharia e Operação de Satélites da Companhia, Sebastião do Nascimento Neto. Desde segunda-feira (12) eles estão em Washington, DC, nos Estados Unidos, participando do maior e mais importante evento do setor aeroespacial do mundo: a conferência Satellite 2018.

O evento reúne, até amanhã (16), líderes, empresários, executivos, engenheiros, profissionais, usuários e entusiastas da indústria que também envolve comunicações via satélite e tecnologias espaciais. Satellite mostra as tecnologias mais inovadoras e disruptivas (transformadoras), além de incentivar a troca de experiências entre os mais diversos players do mercado.

A Telebras, como operadora de satélites e também provedora de serviços de comunicação via satélite tem, a partir deste ano, relevante atuação no mercado brasileiro. Bruno e Sebastião buscam absorver as novidades e as melhores práticas de atuação no setor, bem como participam de reuniões com empresas, parceiros atuais e potenciais, além de instituições governamentais e regulatórias que farão com que a Telebras seja cada vez mais atuante neste setor tão importante para o desenvolvimento nacional.

“Aqui estamos acompanhando de perto a movimentação do mercado, os principais desafios e quais os rumos que devemos esperar para o futuro da Telebras e do SGDC. Também estamos debatendo e trocando experiências com operadores de outros países, que, assim como a Telebras, têm o objetivo de levar Internet banda larga aos lugares mais remotos de seus países com programas de educação e saúde”, comenta Sebastião do Nascimento Neto.

“Pudemos acompanhar diversos painéis sobre novas tecnologias que posicionarão a Telebras em um outro patamar a partir de agora. Estamos aproveitando a experiência dos exemplos de sucesso para aprender e aprimorar cada vez mais nossos projetos”, afirma Bruno Henriques.

“Neste ano, estamos acompanhando o lançamento de tecnologias inovadoras para os terminais satelitais, que poderão, inclusive, ser utilizados no SGDC em um futuro próximo. Além disso, avanços na fabricação de satélites, nos sistemas de radiofrequência, na capacidade de lançamento e nas possibilidades de redução de custos de operação foram observados, garantindo que podemos fazer uso de todo esse conhecimento adquirido para melhorar os resultados da empresa, acelerando a implantação do PNBL”, comenta Bruno.

“No caminho de novos investimentos foi observada uma tendência massiva no sentido da verticalização, ou seja, operador de satélite e prestador de serviço pela mesma empresa, mostrando que a Telebras está no caminho certo”, comemora Sebastião.

Mais informações em: http://2018.satshow.com/attend/

Representantes da Telebras e do Consórcio Sat 3D entregam Kits escolares na obra do COPE P

9 de fevereiro de 2018

A sexta-feira (9) foi de estímulo à equipe que participa da construção do Centro de Operações Espaciais Principal de Brasília, o COPE P. Cerca de 60 Kits escolares foram entregues a filhos de colaboradores que participam da construção da obra.

Na oportunidade, a Telebras esteve representada pelo diretor Comercial, Rômulo Barbosa e pelos engenheiros Sebastião do Nascimento Neto, Rodrigo Botelho, e Gabriel Polanzzo. O Consórcio Sat 3D, responsável pela obra, contou com a presença dos diretores e gerentes das empresas participantes: Almeida França, Paulo Octávio e Projeman.

“São profissionais que merecem nosso reconhecimento porque, assim como as nossas empresas, eles ajudam a construir o Brasil”, ressaltou Barbosa.

 
Página 1 de 212