“Estamos transformando as políticas públicas de inclusão digital, através do SGDC”, diz diretor da Telebras, em Congresso Latinoamericano de Satélites

14 de agosto de 2018

Encontro discute o presente e o futuro do mercado satelital

Começou na manhã desta terça-feira, 14, no Hotel Windsor Barra, no Rio de Janeiro, o 17º Congresso Latinoamericano de Satélites. Entre os participantes de hoje estão o diretor Comercial da Telebras, Alex Magalhães e a gerente geral da Viasat para o Brasil e vice-presidente para a América Latina, Lisa Scalpone. Eles fizeram parte de um painel sobre as perspectivas para o satélite brasileiro em uso comercial. O evento segue até amanhã, 15.

Para Alex, o objetivo do Satélite Geoestacionário Brasileiro, SGDC, é o de dar ao governo federal as condições de cumprir seu papel social e de retribuir para a sociedade os impostos que foram recolhidos e aplicados no equipamento.

“Está no DNA da Telebras massificar a banda larga, atender o Brasil como um todo e dar condições para a sociedade e também aos órgãos de governo, para que consigam melhorar ainda mais a sua gestão, reduzir gastos e aplicar recursos nas áreas essenciais. O SGDC oferece esta oportunidade”, lembra.

Segundo ele, tanto o Satélite quanto a rede terrestre de fibra óptica da Telebras estão atendendo as necessidades de governo e é por esse motivo que a empresa vem renovando contratos na esfera federal. “O Decreto está colocado para todos e é neste sentido que estamos trabalhando.”

O Internet para Todos, um dos carros chefes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, tem o objetivo de levar banda larga para comunidades desassistidas. Na oportunidade, o diretor Comercial enfatizou que o programa chegará a mais de 5 milhões de pessoas, em 40 mil localidades que não têm nenhum tipo de conexão, nem mesmo telefone fixo.

“Queremos dar condições para que a internet chegue com um valor acessível. Assim que o SGDC estiver operacionalizando poderemos cumprir o contrato Gesac e levaremos internet às escolas, postos de saúde e áreas de fronteira de nosso país.”

Ele fez referência ao período em que o Satélite está sem uso por conta do processo judicial que ainda impede a operacionalização do SGDC. “Se tivéssemos mantido o cronograma de instalação desde março deste ano, hoje mais de 6 mil escolas já teriam as antenas instaladas, o que representa mais de um milhão de alunos que não têm como receber o sinal”, lamentou.

Alex citou outras áreas que irão ganhar atenção do governo a partir da conectividade via Satélite da Telebras. “Queremos investir no serviço ao cidadão com uma carteira digital, que é uma bandeira do Ministério do Trabalho, para que, com isso, o Brasil passe a ter um banco de dados previdenciário. Também queremos melhorar o acesso que a plataforma Dataprev tem, levando as consultas de beneficiários, pensionistas e aposentados a uma atualização rápida e precisa. Um dos objetivos é conectar, ainda, os órgãos que tratam a biodiversidade brasileira, como Ibama, ICMBio, serviço florestal brasileiro, e todos os órgãos envolvidos, para que tragam resultados para a biodiversidade, catalogando, fiscalizando e permitindo que os recursos sejam controlados e investidos, aonde, de fato, sejam necessários. Precisamos conectar vários serviços, inclusive as penitenciárias que ficam em locais remotos. E, com a mesma ênfase, dar uma atenção especial ao agronegócio, setor que garante o PIB brasileiro. Sem conectividade as aplicações via IOT não poderão alcançar a cadeia produtiva do agronegócio. Estamos tentando transformar as políticas públicas, usando o SGDC”, concluiu.

Também estão presentes, representando a Telebras no evento, o diretor Técnico-Operacional, Roberto Pinto Martins; o chefe de Gabinete, Luiz Fernando Ferreira Silva; e os gerentes Sebastião do Nascimento Neto, de Engenharia de Operação de Satélites; Bruno Henriques Soares, de Tecnologia e Soluções Satelitais e Hélcio Vieira Júnior, de Relacionamento com Operadoras e Parceiros.

Viasat: parceira comercial da Telebras

Já Lisa Scalpone lembrou que a empresa americana sente-se honrada em fazer parte da indústria de internet do Brasil. “Estamos convencidos de que a conexão de internet oferecida pelo satélite SGDC vai trazer grandes benefícios para os brasileiros. O foco da Viasat sempre tem sido conectar os desconectados. Nós, da Viasat, estamos muito entusiasmados para iniciar este trabalho no Brasil.”

Para reforçar a parceria de negócios com a Telebras, Lisa falou sobre a empresa americana, explicando que a Viasat é constituída por 5 mil funcionários. Scalpone contou que a empresa existe há 30 anos e que foi fundada por Mark Dankberg e Mark Miller, na garagem de casa do Mark Dankberg. Mark Dankberg ainda é o CEO, e o Mark Miller é ainda nosso CTO. Foi Miller quem desenhou todos os nossos satélites”.

Pioneirismo

“Fomos a primeira empresa a oferecer internet por satélite por 50 dólares economicamente acessível para as massas. Outro exemplo, é que fomos os primeiros a fornecer conexões de rede WiFi por 1 ou 2 dólares como algo que é de nosso interesse investir globalmente. Estamos construindo dois satélites com capacidade em terabits. Nesta perspectiva estamos continuamente buscando novos desafios”, enfatizou.

Visiona

Pela parte da manhã, após a abertura do evento, o presidente da Visiona, João Paulo Campos, fez palestra sobre ‘Modelo de novos satélites’.

O mundo dos satélites está mudando radicalmente. Novas constelações de média e baixa órbita (MEO e LEO) abrem novas possibilidades.

João Paulo abordou o tema, discutindo a chegada da era dos nanosatélites e suas novas utilidades, além da comunicação tradicional.

Sobre o evento:

O Congresso Latinoamericano de Satélites é o principal e mais relevante evento para o mercado de satélites da América Latina. O evento congrega mais de 300 participantes, incluindo os principais executivos das operadoras globais de satélite que atuam no Brasil, convidados internacionais, reguladores, governo e usuários nas áreas aeroespacial, transporte aeroviário, óleo e gás, setor financeiro, estatais e operadoras de telecom. Há 17 edições, o encontro é presença obrigatória para quem participa da indústria ou demanda soluções.

Na edição deste ano, o foco é o debate ampliado sobre o impacto das constelações LEO e MEO no mercado de satélites de comunicação, as constelações dedicadas a sensoriamento remoto e observação, o chamamento para novas posições orbitais, além dos debates sobre os novos nichos de mercado, como comunicação embarcada, backhaul para redes de telecomunicações, o mercado de vídeo IP entre outros temas.

Telebras participa do 19° Encontro Internacional Virtual Educa, na Bahia

7 de junho de 2018

Iniciou segunda-feira (4) e segue até sexta-feira (8), no Instituto Central de Educação Isaías Alves Geral (Iceia), em Salvador (BA), o 19° Encontro Internacional Virtual Educa, considerado um dos maiores eventos sobre inovação e tecnologia aplicadas à educação.

A Telebras e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) marcaram presença no evento nesta terça-feira (6). O diretor Comercial da Telebras, Alex Magalhães, participou da mesa redonda, que debateu o valor da educação na era tecnológica. “Estamos representando a Telebras, uma empresa que faz telecomunicação no Brasil, em um evento que tem história em educação aliada à tecnologia. É uma grande satisfação para a Companhia”, diz Alex.

O tema desta edição do evento é “Educação para transformar a sociedade em um espaço multicultural único” reunindo especialistas da área do Brasil, na América Latina, do Caribe e da África. A proposta do evento, organizado em parceria entre o Governo do Estado da Bahia e a Secretaria Geral da Virtual Educa, é uma iniciativa da Organização dos Estados Americanos (OEA) para promover a inovação na Educação, e apresentar políticas e práticas no campo da educação e da formação profissional.

Para um dos idealizadores do evento, o secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro, entre os benefícios para a população, está a implantação de banda larga em todas as unidades de ensino.

A programação está dividida em dois eixos com distintas programações e públicos-alvo. O primeiro é o espaço pedagógico para educadores para a apresentação do estado da arte da inovação na Educação no mundo, uma oportunidade para que docentes, gestores escolares e especialistas atualizem metodologias, práticas de ensino e troquem experiências em oficinas e conferências com especialistas da América Latina, Caribe e outras regiões.

O segundo eixo é o Fórum Global sobre Educação e Inovação, voltado para responsáveis de governos e instituições internacionais e será realizado no Porto Terra Vista. Sua proposta é debater a educação no século XXI, em particular a inovação como um eixo estratégico para promover a transformação social, a educação de qualidade e o desenvolvimento sustentável.

Para mais informações sobre o Virtual Educa Bahia 2018 visite http://virtualeduca.org/encuentros/bahia2018/

Telebras presente mais uma vez na Campus Party Bahia

21 de maio de 2018

Encerrou neste domingo (20), com a participação da Telebras, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, a segunda edição da Campus Party Bahia. A programação foi realizada mais uma vez na Arena Fonte Nova e teve cinco dias de duração.

No sábado (19), o técnico em Gestão de Telecomunicações da Telebras, Vitor Costa, palestrou no Palco Enterpreneurship&Startup sobre como abrir um provedor de internet. “Sua internet não te atende? Abra seu próprio provedor.”

Na oportunidade, Vitor abordou o panorama atual da internet no Brasil. Com um público muito diversificado, a palestra abordou desde o que é a internet e como ela funciona até como abrir um CNPJ, registro na Anatel, equipamentos e desafios do mercado.

“A palestra desse ano foi muito interessante. Tivemos perguntas de profissionais da área e de pessoas que não são do meio, mas que tem interesse em aprender. O público faz a diferença na hora da apresentação”, disse. A palestra pode ser assistida na íntegra no Canal do YouTube da Campus Party.

Sobre a Campus Party

A Campus Party é a maior experiência tecnológica do mundo que reúne jovens geeks em um festival de inovação, criatividade, ciência, empreendedorismo e universo digital. Realizada pela primeira vez em 1997, na Espanha, a Campus Party conta hoje com mais de 475 mil campuseiros cadastrados em todo mundo, e já produziu edições em países como Espanha, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Argentina, Panamá, El Salvador, Costa Rica, Colômbia e Equador. O evento está presente no Brasil há dez anos e em 2017, terá edições em Portugal, Itália, Singapura e África do Sul.

Telebras vai levar conexão a localidades desassistidas através do Internet para Todos

30 de janeiro de 2018

 

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa da Campus Party Brasil 2018, nesta terça-feira,30, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo

A Telebras é a primeira empresa de Telecomunicações do Brasil credenciada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Informações e Comunicações (MCTIC), para atender o Programa Internet para Todos do Governo Federal.

O anúncio foi feito nesta manhã pelo gerente de Planejamento e Marketing da Telebras, Luiz Fernando Ferreira Silva, em São Paulo, durante a Campus Party Brasil 2018. O programa tem o objetivo de conectar milhares de localidades em todo o país sem acesso à rede. Para isso, a Telebras usará a capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), lançado em maio de 2017.

Serão milhares de localidades assistidas pelo Programa que em breve deve entrar em operação. Prefeituras de todo o Brasil poderão se credenciar junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para serem atendidas pelo projeto.

Para o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, a ação vai representar ganhos econômicos e sociais para o país e reforçar o perfil de inclusão digital, uma vez que todos poderão ter acesso ao que acontece no mundo, através da internet.

“Nosso propósito como operadora de Telecomunicações Brasileira é cumprir a missão de conectar o país. Muito em breve, graças ao SGDC e a esta iniciativa do governo, brasileiros que estavam ‘excluídos’ da atual e tão falada conectividade, passarão a se sentir incluídos e poderão usufruir dos mesmos benefícios de internet de qualidade que a Telebras proporciona aos campuseiros, por exemplo,” enfatiza.

Internet para Todos é uma ação do MCTIC e da Telebras que vai levar conexão em banda larga para milhares de localidades de todo o país a preços reduzidos. O objetivo é democratizar o acesso à internet em busca da inclusão social.

Campus Party Brasil 2018

A Telebras está mais uma vez presente na Campus Party Brasil, fornecendo internet de alta qualidade aos campuseiros. O local do evento é novamente o Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

Serão seis dias de duração, em 24 horas non-stop, com um total de 750 horas de conteúdo e uma capacidade de internet de 40 Gb/s, fornecida pela Telebras.

“Somos parceiros do evento no Brasil há 3 anos e entregamos aquilo que melhor sabemos fazer, que é a tecnologia. É um evento de expressão entre os jovens e para a história da Telebras, como todos que participamos. Os campuseiros podem contar com nossa excelência na internet que será fornecida”, diz o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão.

A Campus Party Brasil chega a 11ª edição nacional. Em 2017, o evento realizou edições regionais em Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Salvador (BA), com um encontro em Pato Branco (PR), em outubro.

 

 

Presidente da Telebras participa do 1º Seminário Internet e Eleições, promovido pelo CGI, MCTIC E TSE

8 de dezembro de 2017

 

“O debate sobre liberdade de expressão, privacidade e direitos sociais, tão importantes em um ano de eleição presidencial, passam necessariamente pela forma como os atores sociais se apropriam das tecnologias disponíveis na Internet para se comunicar com seus públicos”, disse Martinhão

Esta quinta-feira, 7, foi de discussão em torno de um tema atual e que passará a ser um dos centros de atenções políticas para as eleições de 2018. Candidatos devem explorar ao máximo as redes sociais e, diante da influência que a internet passa a ter, cada vez mais, nas eleições, o Comitê Gestor da Internet, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Informações e Comunicações e o Tribunal Superior Eleitoral promoveram ontem, no auditório 3 do TSE , o 1º Seminário Internet e Eleições. O presidente da Telebras e coordenador da CGI.Br, Maximiliano Martinhão, participou da mesa de debates.

Segundo Martinhão, o Comitê Gestor da Internet é um grupo multisetorial de especialistas de internet, formado por representantes dos setores governamentais, empresarial, acadêmico e do 3º setor. “A organização do CGI, pensada há mais de 20 anos, tem a incumbência de atuar na  natureza da internet, a qual faz com que as soluções para seus desafios sejam articuladas pelos diferentes atores que cuidam do desenvolvimento da rede”, lembra.

Influência nas eleições

Em seu discurso, Maximiliano lembrou que, recentemente, no processo de discussão da legislação da Reforma Politica, está a inclusão do dispositivo que previa a remoção de conteúdo da internet, sem necessidade de autorização judicial, em caso de não identificação pessoal do usuário responsável, por discurso de ódio, disseminação de informações falsas ou ofensas a partidos, etc.

O presidente da Telebras ressaltou que esta previsão surpreendeu o Comitê por violar o decálogo de princípios do CGI para a internet brasileira e também aspectos do Marco Civil da Internet. O CGI, então, pediu veto presidencial a este dispositivo. “Neste sentido é que o Comitê decidiu fomentar e participar de eventos relacionados às eleições e internet”, enfatizou.

A força da internet

“No início da internet, previu-se que o acesso direto e descomplicado à informação levaria a uma era onde o conhecimento seria equalizado através da rede e todos tomaríamos decisões melhores e mais informadas. Com ações governamentais e políticas, o Brasil ultrapassou a marca de mais de 120 milhões de pessoas conectadas (sendo o 4º no ranking do relatório da UNCTAD atrás de EUA, Índia e China)”, recapitulou.

A pesquisa CETIC do CGI indica que mais de 60% da população brasileira com idade superior a 10 anos de idade já estão na internet. A mesma pesquisa indica que 89% delas acessam a internet para usar aplicativos como o whatsapp e 78% para acesso às redes sociais.

“Com o avanço das tecnologias móveis como computadores portáteis, tablets, smartphones, criou-se um ambiente interativo ideal que ingressa irreversivelmente no nosso cotidiano. Hoje a internet já é a principal fonte de informação de boa parte de nossa população e por suas características técnicas, a Internet tem sido fundamental na formação da opinião pública”, lembra Martinhão.

Campanha de 2018

Maximiliano lembra que para a próxima campanha eleitoral, partidos e candidatos usarão a internet para fazer com que as suas mensagens e propostas cheguem até os eleitores.

“Muitos dos embates entre planos de governo, proposta de políticas públicas, transparência e ética acontecerão nesse ambiente, fazendo com que o espaço de debate político criado por provedores de aplicações e de conteúdos na Internet se consolide cada vez mais como parte importante da esfera pública. Por outro lado, a falta de uma curadoria aumenta a demanda por senso crítico daqueles que consomem as notícias e as informações”, diz.

Fake News

“Como vemos todos os dias nas redes sociais, estamos expostos constantemente a fake news e opiniões que nelas se ancoram. Vivemos um mundo de pós-verdade, onde diversos estudos revelam que fatos pouco contribuem para mudar opiniões. De junho do ano passado, quando a Inglaterra realizou um referendo para sua saída da União Europeia, passando pela eleição do presidente Trump, nos Estados Unidos, o papel da Internet na democracia passou a estar em destaque como nunca antes”.

 Internet x Eleições

De acordo com Maximiliano, a regulação do ambiente online durante o processo eleitoral é tarefa fundamental e bastante complexa. Para o coordenador do Comitê, a comunicação entre indivíduos na Internet é amplamente dependente de uma série de agentes privados que se distribuem nas camadas de infraestrutura, rede e de aplicações. A forma como tais agentes privados gerenciam conteúdos em suas redes está atrelada a termos de uso privado que, não raramente, entram em confronto com o ambiente legal e regulatório dos países onde se situam os usuários de tais serviços.

“Desta forma, o debate sobre liberdade de expressão, privacidade e direitos sociais, tão importantes em um ano de eleição presidencial, passam necessariamente pela forma como os atores sociais se apropriam das tecnologias disponíveis na Internet para se comunicar com seus públicos. Em 2018 teremos, pela primeira vez desde a intensificação desse debate, eleições majoritárias no Brasil para mais de 144 milhões de eleitores. Serão eleições em que a Internet e essa nova maneira de comunicar terão um impacto que nunca tiveram antes”, ressalta Martinhão.

 
Página 1 de 212