Tecnologia da Telebras na Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT

11 de janeiro de 2018

“Mais um passo importante na consolidação dos serviços da Telebras para o país. A ANTT poderá contar com nossa rede para assegurar aos usuários a melhor prestação de serviços de transporte terrestre”, diz Maximiliano Martinhão, presidente da Telebras.

A ANTT garante a entrega de um serviço vital para a população. O transporte terrestre é por onde transita a maioria dos cidadãos e escoa grande parte da produção nacional. Só de rodovias, o Brasil possui mais de 1,7 milhão de quilômetros responsáveis por interligar todas as partes do país.

Dentre as imprescindíveis atividades da agência estão a regulação, supervisão e fiscalização das atividades de prestação de serviços e de exploração da infraestrutura de transportes, visando assegurar a movimentação de pessoas e bens. A qualidade desse serviço é fundamental para girar a economia do país.

A Telebras vai garantir a integração e maior qualidade da comunicação de dados, voz e imagem, de alta velocidade, que permitirá a integração de toda rede da ANTT entre suas unidades espalhadas pelo país, visando a eficiente gerência das vias, terminais, equipamentos e veículos.

“É a Telebras seguindo a missão de atuar como fornecedora estratégica de soluções de telecomunicações e como agente de desenvolvimento nacional”, completa o presidente da Telebras.

Sobre a ANTT:

Criada pela Lei nº 10.233, a Agência Nacional de Transportes Terrestres é uma autarquia sob regime especial, que tem sede e foro no Distrito Federal, e está presente em todo o território nacional por meio das Unidades Regionais e Postos de Fiscalização.

Tem por finalidade regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços e de exploração da infra-estrutura de transportes, exercidas por terceiros, visando garantir a movimentação de pessoas e bens, harmonizar os interesses dos usuários com os das empresas concessionárias, permissionárias, autorizadas e arrendatárias, e de entidades delegadas, preservado o interesse público, arbitrar conflitos de interesses e impedir situações que configurem competição imperfeita ou infração contra a ordem econômica.

Telebras focada em um 2018 promissor e cheio de desafios

22 de dezembro de 2017

2017 se despede com histórias para contar, entre elas contratos importantes firmados, sucesso no lançamento do SGDC e a projeção do Cabo Submarino que vai ligar Brasil à Europa

Com a palavra, o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão:

“2017 foi o ano em que o Brasil ganhou com a eficiência de uma Companhia genuinamente brasileira. O ano em que a Telebras entrou para a história, selou sua marca como uma empresa pioneira em telecomunicações via Satélite e conquistou seu reconhecimento no mercado de ações, com aporte humano e social para a Nação. Se soma às Companhias bilionárias e escreve seu nome no cenário mundial como empresa de capital aberto, com potencial para céu e mar. 2018 se aproxima e, com ele, a possibilidade de internet de qualidade através de um Cabo Submarino, conectando o Brasil ao Continente Europeu. Esta é a Telebras, a Estatal brasileira que se reinventou com o passar do tempo e chega altiva aos 45 anos de história.

O ano encerra com 357 colaboradores diretos e mais de 500 prestadores de serviços indiretos, distribuídos em 50 empresas contratadas. Um aporte de R$ 1,3 bi no capital social da empresa, que permite, para o próximo ano, visualizar uma Telebras autossustentável. Uma nova capitalização está prevista para 2018 no montante de R$ 1,2 bi. No próximo ano, a busca pelo equilíbrio social e econômico da Companhia passa a ser uma realidade alcançável e em constante manutenção pela Diretoria Executiva. Temos a missão de ser uma empresa de ponta, de tecnologia e inovação e o caminho vem sendo trilhado, com seriedade, maturidade, energia e segurança.

A Lei de Responsabilidade das Estatais chega também para somar em nossa Companhia. Com as exigências vem o aperfeiçoamento dos processos de gestão, que produz transformações internas com foco na integridade e transparência, nas relações com os clientes, com os investidores e com a sociedade.

Os novos parâmetros para compras e licitações serão certamente fatores determinantes para uma melhoria contínua no nível de excelência da empresa. Parte do trabalho já foi concluído em 2017 e, para os próximos 5 anos, a meta é perseguir a consecução dos grandes objetivos. Entre eles podemos citar: a viabilização da operação do Cabo Submarino; a continuação da rentabilidade na operação do SGDC 1; a viabilização do Projeto SGDC 2; a busca de acesso a 40 mil localidades com internet popular; a rentabilização da rede terrestre e a autonomia econômica da empresa.

A estrutura gigantesca em terra que faz conexão com o Satélite também cumpriu todos os prazos. Mais que isso, está com adiantamento de entregas. São dois Centros de Operações Espaciais, um em Brasília e o outro no Rio de Janeiro e mais três antenas instaladas em três estados que abrigam as Estações Gateways: Florianópolis (SC), Salvador (BA) e Campo Grande (MT). Em meio a estas obras, profissionais altamente qualificados dando conta de datas, custos e avaliações. Com antecedência nas etapas entregues, o Projeto SGDC chega ao fim de 2017 com razões suficientes para se consolidar como um dos feitos a se comemorar no Brasil.

A Telebras abrange hoje, diretamente e através de parceiros, uma população superior a 130 milhões de habitantes e alcança 1.524 municípios do Brasil, além do atendimento à rede privativa de comunicação da administração pública federal. A Companhia opera uma rede terrestre com Backbone baseado em cabos de fibra óptica estruturados em cinco anéis geográficos distribuídos no nordeste, sudeste, sul, centro-sul e norte, totalizando 28 mil Km de extensão de rede. São 195 provedores atendendo as 27 unidades da Federação.

Estamos encerrando 2017 com a certeza de que podemos ir além. Contratos importantes foram fechados. Uma soma de forças de toda equipe Telebras, que, dia após dia, vai na linha da ética e do conhecimento, na ânsia de garantir o melhor para os colaboradores, para a trajetória da Companhia e para o Brasil.

Nesta reta final de 2017 ficam meus cumprimentos à Telebras, a empresa que faz telecomunicações no Brasil e para o Brasil. A segurança das informações sensíveis ao país reflete sua soberania e ela também estará coberta por um de nossos projetos. Precisamos nos comunicar através das tecnologias e, para a Telebras, todos os usuários têm o mesmo valor. A cultura democrática prevalece, pois a missão da empresa é servir à Nação.

Espero e acredito em um 2018 promissor e de muito trabalho. Teremos desafios pela frente, mas, certamente, eles servirão para o crescimento e o progresso de nossa Companhia.

Muito obrigado e o desejo de Boas Festas e um Feliz Ano Novo a todos!”

Maximiliano Martinhão

Presidente

Ministério da Justiça terá Telebras como aliada na modernização do sistema penitenciário e no apoio ao combate integrado às organizações criminosas

15 de dezembro de 2017

“Melhoria dos serviços tecnológicos do Ministério da Justiça trará ganhos na execução das responsabilidades do Órgão Público. Sai beneficiada a sociedade, tão carente de proteção, que terá agilidade no processo de melhoria da segurança publica”, diz Max

A Telebras está concluindo 2017 com mais um importante projeto com o Governo Federal. O novo parceiro é o Ministério da Justiça.  De acordo com o presidente da Companhia, Maximiliano Martinhão, com a prestação dos serviços, a Telebras estará contribuindo com as ações do Ministério da Justiça através da modernização da comunicação do sistema penitenciário e no combate integrado às organizações criminosas.

As comunicações avançadas, disponibilizadas pela Telebras, permitem ao Ministério da Justiça uma evolução tecnológica nos sistemas de segurança das penitenciárias. Os serviços da Companhia vão permitir, ainda, a reabertura dos Centros Integrados de Comando e Controle Regionais (CICCR), do Plano Nacional de Segurança Pública, divulgado em fevereiro desse ano.  A proposta dos Centros é buscar a integração, a coordenação e a cooperação entre governo federal, Estados e sociedade.

A Telebras vai fornecer ao MJ a rede de comunicação de dados, privativa, que permite o tráfego de dados, voz e imagem entre o MJ e as Penitenciárias Federais, além do ponto de presença em cada unidade da federação e acesso à internet.

Para as penitenciárias será utilizado o SGDC como uma rede backup de comunicação.

“O Ministério da Justiça pode contar com a Telebras para ser reconhecido pela sociedade como protagonista no alcance de níveis adequados na defesa da cidadania, na proteção dos direitos e na implantação de uma política integrada de segurança pública.  Para a Companhia, essas razões justificam a missão da Telebras, que é a de agregar e somar na vida dos brasileiros”, conclui o presidente.

Ações gerais do Plano Nacional de Segurança Pública

– Implantação de Núcleos de Inteligência Policial (NIPO) nos 26 Estados e no Distrito Federal, com participação conjunta dos setores de inteligência das Polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar, Ministério Público e do sistema penitenciário.

– Implantação e/ou interligação de sistemas de videomonitoramento nos Estados e municípios, nos Centros Integrados de Comando e Controle Regionais (CICCRs), nos Centros de Operação estaduais ou nos COPOMs, com a participação de todas as agências de segurança e as principais administrativas.

– Compartilhamento de informações georreferenciadas das câmeras de Estados e Municípios.

– Padronização Nacional dos principais tópicos de Registros de
Ocorrências (PPe) e informatização de todos os dados, com
atualização constante dos locais com maior incidência criminal.

– Compartilhamento entre as forças de segurança, via Centros
Integrados de Comando e Controle (CICCs), de informações
obtidas pelo Disque-denúncia.

– Compartilhamento de dados de inteligência decorrentes de
operações conjuntas.

– Ampliação dos radares ALERTA BRASIL: mais 837 câmeras da PRF, chegando a 935.

– Integração do sistema Alerta Brasil com os sistemas estaduais de identificação de veículos.

Eletrosul testa Satélite da Telebras para otimizar a comunicação entre as Centrais Elétricas da Estatal

“A Companhia, através do SGDC, está pronta para contribuir como facilitadora dos processos de gestão em telecomunicações”, enfatiza Max

Um passo importante para que haja comunicação entre as Centrais Elétricas. É com este foco que a Eletrosul fechou parceria com a Telebras. O SGDC, Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas será responsável pela comunicação de dados entre a sede e as centrais elétricas da empresa. Os testes iniciam na próxima segunda-feira, 18.

Para o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, a contribuição do SGDC para o país é abrangente e fundamental em todas as áreas que necessitam de tecnologia. “A Eletrosul, por exemplo, é a empresa responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Contribuir para o bom andamento deste serviço é também nosso papel como provedores de telecomunicação. A Companhia, através do SGDC, está pronta para colaborar como facilitadora dos processos de gestão em telecomunicações”, lembra Martinhão.

Mais eficiência, agilidade e confiabilidade para o sistema elétrico

A pareceria tem como meta reforçar o sistema redundante de fibra óptica, aumentando a eficiência, a rapidez na detecção de problemas e a confiabilidade do sistema elétrico.

O objetivo inicial é alcançar teleassistência em tempo real entre a sede operacional da Eletrosul em Florianópolis (SC) e sua Subestação na cidade de Ivinhema (MS)

Após a conclusão da fase experimental está prevista a expansão da teleassistência via Satélite para outros Centros de Operação, que são responsáveis pela gestão ininterrupta do sistema de transmissão da empresa.

“Hoje, a Eletrosul é referência nacional em teleassistência na operação de ativos do setor elétrico, com sistemas ópticos, redundantes e de sua propriedade. Com a incorporação da tecnologia de comunicação via Satélite, proporcionaremos maior robustez ao sistema de operação remota, eliminando os riscos de falhas na conexão com os ativos de transmissão da empresa”, destaca o diretor de Operação da Eletrosul, Rogério Bonini Ruiz.

Telebras avança no caminho da sustentabilidade

14 de dezembro de 2017

Com o aumento do capital social, aprovado este ano, Companhia passa a ter patrimônio líquido positivo

A notícia é animadora para a Telebras, que encerra 2017 com perspectivas de crescimento e novos projetos para 2018. Os números mostram que o equilíbrio econômico e financeiro da Companhia passa por um momento importante, de maturidade e controle.

O presidente da Companhia, Maximiliano Martinhão, ressalta que os recursos aportados pela União, no montante de R$ 1,3 bilhão, aumentarão em seis vezes o capital da empresa. “Temos muito pela frente. É só o começo. Iniciaremos 2018 com expectativa de voos altos e seguros”, comemora Max.

Para o diretor Administrativo Financeiro da Telebras, Paulo Ferreira, a Companhia está trilhando um caminho promissor. “É um olhar criterioso para cada detalhe, mas que está nos garantindo sucesso em todas as etapas. A partir de agora é possível visualizar uma Telebras com estabilidade financeira e econômica, o que representa muito para os investidores, para a própria Companhia e para o país”, diz Ferreira.

Aporte de Capital 

Em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) de Acionistas da Telebras, realizada em 26 de setembro, houve a deliberação sobre o aumento de capital, advindo de aportes da União, para execução dos projetos SGDC, PNBL e Cabo Submarino.

Os recursos são referentes à transferência de capital pela União, através das Leis Orçamentárias Anuais (LOAs) dos anos de 2012 a 2015. Com os recursos, o capital da Telebras passou de R$ 263.145.011,82 para R$ 1.594.666.570,00, o equivalente a seis vezes mais que o capital social atual. 

Projeção

Segundo Maury Caetano, gerente Fiscal e de Controle da Telebras, o incremento de capital vai contribuir para a melhoria do resultado e da imagem da empresa, refletida no balanço patrimonial. “Com a incorporação do AFAC ao Capital Social, a Telebras apresentará uma melhor situação financeira no balanço patrimonial – o patrimônio líquido não será mais negativo – e reduzirá significativamente os impactos negativos da correção do AFAC no resultado da Companhia”, diz Caetano.

Taxa Selic

Para o especialista em Finanças da Telebras, Romero Pedrosa, 2017 representa um marco para a empresa. “Essa capitalização permite que a Telebras se projete, cada vez mais, como uma empresa de sucesso. A percepção da empresa muda também para quem quer investir, pois a empresa passa a ser vista com outros olhos, eliminando o impacto da Taxa Selic, incidente sobre o montante a ser capitalizado”, enfatiza o especialista.

Cerca de 72 mil ações preferenciais e ordinárias da Telebras serão rateadas entre os acionistas interessados

Encerra amanhã, 15, o novo período para que os acionistas que manifestaram interesse nestas sobras exerçam seus direitos de subscrição.

 
Página 3 de 712345...Última »