Telebras comemora 46 anos de história

9 de novembro de 2018

Há 46 anos nascia a Telebras, a empresa que tem a missão de fomentar e difundir o uso e o fornecimento de bens e serviços de tecnologias de informação e comunicação no Brasil. O aniversário da empresa foi comemorado nesta sexta-feira, 9, em cerimônia especial para os colaboradores no auditório do Ministério do Esporte, com transmissão ao vivo pelo YouTube.

Na oportunidade, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, relembrou a história da Companhia, que teve início com o desafio de integrar operadoras de comunicação. “Criamos um padrão de comunicação para a população”, disse.

“A estrutura regulatória da Telebras a colocou como uma empresa estratégica de Estado, fornecendo segurança nas comunicações por meio de provedores, independente da rede que será utilizada. Estamos falando de tecnologia nacional, com algoritmos criados pela Abin [Agência Brasileira de Inteligência], garantindo informações seguras em qualquer lugar do Brasil”, acrescentou Jarbas Valente.

Além da Diretoria Executiva da empresa, também marcou presença na cerimônia o presidente do Conselho de Administração da Telebras, Maximiliano Martinhão. Ele enfantizou os projetos que a Telebras tem feito e a atuação do governo federal para garantir os investimentos nas atividades da empresa. “Quando o Conselho [de Administração] olha para a Diretoria Executiva e para o corpo funcional, vê uma competência construída ao longo desses 46 anos. São pessoas que assumiram a responsabilidade de ampliar a banda larga. É possível ver com clareza a vontade de todos em fazer a Telebras acontecer”, concluiu.

Pioneirismo e estratégia

Para o presidente, a Telebras ocupa um papel fundamental como empresa de mercado que desenvolve papel estratégico de negócios. “É por isso que estamos atuando em todas as frentes: terra (Rede Terrestre de Fibra Óptica), céu (Satélite Geoestacionário Brasileiro) e mar (Cabo Submarino).

Avanços

Por mais de quatro décadas, a Telebras tem investido em infraestrutura tecnológica e processos para melhoria das atividades. Na segunda-feira, 6 de novembro, o Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), de Brasília, recebeu o prêmio de “Melhor Prestação de Serviço Digital no Setor Público” na edição latinoamericana do DataCenter Dynamics Awards 2018.

Além de ganhar o “Oscar” da indústria de data center, as ações de destaque da empresa incluem a ampliação da rede de fibras ópticas e o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC 1), cujo objetivo é atender 100% o mercado de governo e também a sociedade. “Ao todo, serão três satélites responsáveis por levar internet banda larga para todos os cantos do país, auxiliando na saúde, na educação, na economia, na segurança e no acesso à informação”, disse Jarbas Valente.

O processo licitatório da parte terrestre do SGDC envolveu mais de 35 licitações e cerca de 450 milhões de investimento. “Todos os prazos foram cumpridos com lisura de contratos. Todos os contratos foram tratados om muita transparência e tranquilidade, sem nenhum aditivo contratual”, explicou Jarbas Valente.

Além disso, a Telebras também está negociando o Cabo Submarino Brasil-Europa, que atenderá a demanda por neutralidade de dados da internet e ampliará a distribuição do sinal nas regiões brasileiras. Atualmente, o quadro da empresa conta com 380 profissionais atuando em Brasília (DF), Belém (PA), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS).

Confira a galeria de fotos no Flickr.

Telebras inaugura infraestrutura das estações Gateways de Campo Grande-MS, Florianópolis-SC e Salvador-BA

23 de março de 2018

A manhã desta quinta-feira (22) foi de entrega de novas etapas do Projeto SGDC-1. Autoridades e Diretoria Executiva da Telebras participaram da inauguração da infraestrutura das três estações terrestres do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), que marca o início do funcionamento de um dos projetos mais esperados do Brasil. As estações, chamadas Gateways, estão instaladas em Salvador (BA), Campo Grande (MS) e Florianópolis (SC).

Entre as autoridades presentes estavam o Ministro da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab e o Ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna.

O diretor Técnico-Operacional da Telebras, Jarbas Valente, ressaltou a importância do Projeto SGDC para o país, permitindo, em breve, internet de qualidade para escolas, hospitais, áreas rurais e regiões remotas. “Foram mais de 30 licitações para chegarmos a este resultado. Uma soma de esforços de todos os envolvidos”, enfatiza.

Para o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, a data marca mais um importante passo da Companhia. “A Telebras concluiu a instalação das três antenas Gateways que compõem o Projeto SGDC-1, em terra, além das outras duas antenas Gateways que estão instaladas aqui, no Cope-P em Brasília e no Cope-S, no Rio de Janeiro. Obras orçadas em 134 milhões de reais, que geraram mais de mil empregos diretos e indiretos e que estão sendo entregues dentro do prazo”, lembra.

“A partir de agora, com os resultados dessa operação, vamos ter um novo Brasil. A conectividade nas áreas de educação e saúde, em regiões longínquas e no monitoramento das fronteiras nos permite afirmar que efetivamente o país viverá uma nova realidade no que diz respeito à tecnologia, conforto e segurança”, ressaltou Kassab.

Um exemplo, segundo Kassab, é o programa Internet para Todos, iniciativa do MCTIC para levar acesso à banda larga para localidades sem conectividade de todo o país. Ele lembrou a participação de cerca de 3 mil prefeitos na cerimônia de assinatura dos termos de adesão ao programa realizada em Brasília, no dia 12 de março. “Isso mostra que estamos, neste momento, já integrados à sociedade civil, com as mais diversas comunidades, que passarão a dar apoio à continuidade desse projeto.”

O ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, ressaltou a integração entre os órgãos do governo na construção do satélite. Fruto de uma parceria entre o MCTIC e o Ministério da Defesa, o satélite recebeu R$ 3 bilhões em investimentos. Adquirido pela Telebras, tem uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e para expandir a oferta de internet no país, e uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas.

Gateways

As estações terrestres de acesso, as Gateways, são responsáveis pelo tráfego de dados do satélite geoestacionário, que entrou em órbita em maio de 2017. Cada gateway recebe transmissões do SGDC, processa chamadas e distribui as transmissões para a rede terrestre apropriada. Ao todo, o satélite conta com cinco Gateways.

Obras

Durante a cerimônia, ministro e autoridades visitaram as obras do complexo de operações do satélite, no VI Comando Aéreo Regional. Além da estação de acesso, o local abriga toda a infraestrutura do Centro de Operações Espaciais Primário (COPE/P). O controle do satélite em órbita é feito por dois COPEs – um em Brasília e outro no Rio de Janeiro.

Tier IV e Bim

Max enfatizou a classificação Tier IV para o COPE P, de Brasília, que é o mais alto nível de disponibilidade e confiabilidade para a infraestrutura de uma instalação de missão crítica. “Esse sistema permite o site imune a qualquer paralisação de infraestrutura, ou seja, qualquer componente ou sistemas podem ser retirados de serviço seja por defeito, manutenção, reparo ou substituição sem que haja impacto para os processos de TI dos ambientes críticos do Data Center. Esta arquitetura permite ultrapassar os piores cenários de incidentes técnicos sem nunca interromper a disponibilidade dos servidores” informa.

No Brasil, apenas um Data Center do setor privado possui certificação Tier IV e o projeto da Telebras é o primeiro a ser certificado neste nível em órgãos e empresas públicas. O processo de certificação Tier IV é complexo, sendo analisado por profissionais sêniores, com vasta experiência em certificações internacionais.

Outro grande marco é que todos os projetos foram desenvolvidos em tecnologia BIM (Building Information Modeling), que cria digitalmente modelos virtuais precisos de uma construção, sendo todos os desenhos e compatibilização das instalações realizados em 3D, permitindo a visualização da obra em nível de detalhamento real.

O BIM oferece suporte ao longo das fases do projeto, permitindo melhor análise e controle na implantação e operação.

Quando concluídos, esses modelos gerados por computador contêm geometria e dados precisos necessários para o apoio às atividades de construção, evoluindo para o 4D ao incorporar a dimensão tempo e para o 6D com as informações de manutenção.

 

Escultura do SGDC-1 é inaugurada na Agência Espacial Brasileira

22 de março de 2018

Foi inaugurada na manhã desta terça-feira (20), em Brasília, a escultura do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1). A peça é de autoria do paraibano Percival Henriques, presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital (ANID). A solenidade contou com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, do presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, da Diretoria Executiva da Telebras e do presidente da Agência Espacial Brasileira, José Raimundo Braga Coelho.

Percival também é empresário, físico e bacharel em Direito. Foi diretor técnico do Inmetro/Imeq na Paraíba e é especialista em gestão pública. A escultura do SGDC-1 foi doada à Agência Espacial Brasileira (AEB) pelo artista, após indicação do presidente da Telebrás, Maximiliano Martinhão.

Durante a solenidade, o Ministro Kassab ressaltou o impacto positivo do SGDC na vida cotidiana das pessoas, aumentando a oferta de banda larga para regiões remotas do Brasil e proporcionando segurança estratégica nas comunicações.  Registrou a importância de simbolismos como a escultura para celebrar os esforços dedicados à construção de um país melhor, acrescentando que a obra operava como um marco. “A escultura demonstra aos brasileiros que aqui se trabalha muito”, disse.

A escultura

A escultura pesa 122 kg, e tem 1,60 cm de altura com 3,20 de diâmetro. É composta por dois domos geodésicos sobrepostos construídos com tubos de aço carbono galvanizados. Entre os dois domos foi colocada uma réplica do SGDC, feita de chapa de aço carbono, e preparada com um jateamento de microesferas de aço para receber nanopartículas de zinco, por meio de uma técnica chamada arc spray, que evita a corrosão.

Segundo Percival, a ideia geral da obra, além da representação literal da Terra, da abóboda celeste e do próprio satélite, é que ela seja um tributo à Matemática e, sobretudo, aos homens e mulheres escondidos atrás de cada equação que garantiu o suporte objetivo à manutenção em órbita e operação do SGDC.

Colaboração do Release: Coordenação de Comunicação Social da AEB

Telebras estará presente na Cerimônia de adesão de mais de 2.500 cidades ao Programa Internet para Todos

12 de março de 2018

O presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, assinam, nesta segunda-feira (12), na presença de prefeitos, o termo de adesão ao programa Internet para Todos. O presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, compõe a mesa de autoridades. A cerimônia será realizada no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília, a partir das 15h.

O programa Internet para Todos já tem 2.260 cidades prontas para assinar o termo de adesão. O número de municípios habilitados pode ser acrescido em mais de 330 já que 2.593 cidades manifestaram interesse em participar do programa.

O Internet para Todos vai beneficiar uma fatia da população hoje excluída da rede mundial de computadores, democratizando o acesso à informação e aos serviços públicos hoje disponíveis on line. Cerca de 40 mil localidades poderão ser beneficiadas pelo programa.

O termo de adesão que será assinado pelos prefeitos define a infraestrutura básica e as condições para a participação dos municípios no programa. As prefeituras devem indicar onde serão instaladas as antenas para distribuição do sinal de internet, além de garantir a segurança da área e arcar com as despesas de energia elétrica.

Os municípios beneficiados nesta primeira fase do Internet para Todos começarão a receber as antenas em maio, e a expectativa é que sejam instaladas 200 antenas por dia.

A conexão de internet será feita por meio do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), de propriedade do governo brasileiro e que recebeu R$ 3 bilhões em investimentos. Em órbita desde maio de 2017, o satélite tem vida útil de 18 anos. O Internet para Todos oferecerá aos usuários conexão a preços acessíveis.

Além dos convênios com as prefeituras, o MCTIC já firmou parcerias com o Ministério da Defesa, para garantir o monitoramento de 100% das fronteiras brasileiras, ampliando as ações de combate ao tráfico de armas e drogas; com o Ministério da Educação, para levar banda larga para todas as escolas públicas do país, sendo que 7 mil serão beneficiadas já em 2018; e com o Ministério da Saúde, para implantar internet em hospitais e postos de saúde, melhorando a gestão pública e a qualidade dos serviços prestados à população.

Mais recursos para os municípios

Na mesma cerimônia, o presidente Michel Temer vai sancionar o projeto de lei número 1 de 2018, que abre crédito especial de R$ 2 bilhões ao Orçamento Fiscal da União em favor dos Ministérios da Educação, da Saúde e do Desenvolvimento Social. O objetivo é viabilizar a MP nº 815/2017. O PL autoriza a União a transferir aos entes federativos e que recebem o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), no exercício de 2018, a título de apoio financeiro, recursos destinados à superação de dificuldades financeiras emergenciais.

Serviço
Evento: Cerimônia de Assinatura do Termo de Adesão do Programa Internet para Todos
Data: 12 de março de 2018
Horário: 15h
Local: Centro Internacional de Convenções do Brasil
Endereço: SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50
Cidade: Brasília (DF)

Telebras lança projeto para conectar sua rede aos Pontos de Troca de Tráfego de Internet no Brasil

8 de março de 2018

A diretoria executiva da Companhia tem como objetivo contribuir para um Brasil mais conectado a custos baixos e maior praticidade

A Telebras anuncia, nesta quinta-feira (8), um projeto que deve promover o trabalho dos provedores de Internet do país. Trata-se de um programa que vai conectar a rede da Telebras a todos os Pontos de Troca de Tráfego Metropolitanos (PTTMetro) do IX.BR.

Atualmente existem 31 Pontos de Troca de Tráfego no Brasil, abrangendo todas as regiões do país. Cada localidade receberá links de centenas de Gbps. O total de provedores que são Sistemas Autônomos no Brasil alcança, hoje, o número de 5.323.

Maximiliano Martinhão, presidente da Telebras, comemora a iniciativa, lembrando que, entre as metas do projeto, estão a possibilidade de serviços de transporte entre os diversos pontos de troca de tráfego, de forma simples e econômica, além da melhor qualidade de Internet oferecida à população.

“São Paulo é, hoje, o grande concentrador de tráfego no Brasil. Para melhorarmos a qualidade da Internet, principalmente no que diz respeito a questões como latência e disponibilidade, é necessário distribuir melhor o tráfego para as diversas regiões do país. É neste sentido que queremos somar e servirmos de agente de distribuição e condução da utilização dos PTTs. O Brasil já está maduro para isso e precisa expandir seus horizontes na área da informação, de forma racional e segura. A Telebras pode ajudar neste sentido”, enfatiza Max.

Para o diretor Comercial da Telebras, Rômulo Barbosa, além do benefício social, o projeto trará consideráveis retornos financeiros para a Companhia. “Neste projeto ampliaremos a utilização de nossa rede com a mesma estrutura já instalada. Haverá um investimento que aumentará nossas receitas sem impacto nos custos operacionais, resultando em alta rentabilidade do projeto”, ressaltou Barbosa.

De acordo com o diretor Técnico-Operacional da Telebras, Jarbas Valente, o projeto pode ser visto por várias óticas. Do ponto de vista econômico e social, estamos valorizando o desenvolvimento nacional. “Utilizaremos tecnologia de ponta que será produzida pela indústria brasileira. Isso significa dizer que estaremos integrando o Brasil com aquilo que é nosso”, enfatiza.

“A conexão da rede Telebras aos Pontos de Troca de Tráfego é de fundamental importância para uma melhor prestação de serviços de acesso à internet, otimizando o uso da rede e aproximando dos usuários os principais conteúdos disponibilizados na rede mundial”, acrescenta o gerente de Planejamento, Controle e Inovação da Telebras, Roberto Pinto Martins.

O que diz o NIC.br sobre o Projeto

Pontos de troca de tráfego são estruturas de Internet que melhoram a eficiência, aumentam a segurança e incrementam a resiliência da rede. Um ponto de troca, entretanto, exerce uma força de atração proporcional ao seu tamanho, o que só faz com que cresça cada vez mais. Os interessados em trocar tráfego tem que buscar meios de chegar aos pontos de maior concentração e, com isso, o desequilíbrio na rede aumenta.

“Com a iniciativa da Telebrás em prover transporte entre diferentes pontos de tráfego, o provedor pode se manter conectado ao local geográfico que lhe for mais natural e próximo e, mesmo assim, conseguir participar das trocas que ocorrem em outros pontos: bastará contratar o transporte à Telebrás. Com isso a distribuição de tráfego torna-se mais homogênea e a estratégia dos participantes nos PTTs ganha facilidade. O NIC saúda a iniciativa e soma-se aos esforços por uma Internet no Brasil cada vez melhor”, diz Demi Getschko, presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br.

Já segundo Milton Kashiwakura, diretor de Projetos Especiais e de Desenvolvimento do NIC.br, “a Telebras, com este projeto, irá acelerar o crescimento dos Pontos de Troca de Tráfego Internet (PTT) do NIC.br (IX.br). Os provedores de acesso de Internet ganharão em agilidade para se conectar a qualquer PTT através da rede da Telebras. O provisionamento será rápido, pois a infraestrutura já estará preparada”, enaltece.

Avaliação do presidente da ANID

Percival Henriques, presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital – ANID, diz que a lógica da Internet é de que, cada vez mais, o conteúdo relevante esteja próximo do local onde ele mais interessa. “Queremos que os sistemas autônomos vizinhos conversem entre si. O local apropriado para esta conversa são os pontos de troca de tráfego. Com este projeto da Telebras, os provedores vão ter acesso aos PTTs, permitindo redução de custos, acesso à diversidade de conteúdos regionais e até compartilhamento de conteúdos globais, que estejam disponíveis localmente. É uma boa iniciativa da Companhia”, ressalta.

Abrint

O presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações – Abrint, Basílio Perez, afirma que vê com grande satisfação a iniciativa da Telebras. “O transporte até os Pontos de Troca de Trafego sempre foi uma bandeira que defendemos e a Telebras, assumindo mais esse papel, estará alavancando o desenvolvimento da Internet do Brasil. É uma forma de facilitar o trabalho de inclusão digital feito pelos provedores regionais.

Abranet

Eduardo Parajo, diretor presidente da Associação Brasileira de Internet – Abranet, incentiva a proposta. “Entendemos que esta iniciativa da Telebras vai contribuir para melhorar os custos da conectividade de Internet, além da melhoria da qualidade e menor latência para os provedores e usuários da rede”, diz.

Sobre o IX.BR

O IX.BR é um projeto do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) que promove e cria a infraestrutura necessária para que provedores de Internet façam a interconexão de suas redes. Através desta interconexão, os diversos provedores de Internet comunicam diretamente entre si, aumentando a qualidade do serviço e diminuindo os custos de comunicação. Atualmente, 32 cidades brasileiras, possuem pontos do IX.BR.

 
Página 1 de 712345...Última »