Entrega da infraestrutura do COPE-P completa a base terrestre do projeto SGDC

17 de dezembro de 2018

A manhã desta segunda-feira, 17, foi marcada pela entrega operacional do Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), localizado no antigo Comando Aéreo Regional de Brasília (VI Comar). O COPE-P é um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC.

Na oportunidade, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, falou do futuro promissor para as telecomunicações brasileiras a partir do projeto SGDC. “Daqui para frente virá o desafio de finalmente conectarmos este imenso país, de ponta a ponta, sem restrição de localidades, sejam elas populosas ou não. Todos passarão a ter igualdade de informações, por meio do Programa Internet para Todos, e acesso ao progresso”, disse.

Já o ministro da Defesa (MD), Joaquim Silva e Luna, lembrou que o COPE-P já é parte da estrutura do Comando de Operações Aeroespaciais (Comae). “O projeto SGDC assegura ao Brasil a autonomia de lançamento e operação. As comunicações passam a ser seguras e soberanas. Estamos inserindo o Brasil na economia do espaço em escala mundial. A parceria entre Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), MD e Força Aérea Brasileira transformaram este projeto em motivo de orgulho para todos nós”, enfatizou.

Gilberto Kassab, ministro do MCTIC, ressaltou que o projeto SGDC foi muito bem coordenado. “Todos deram o melhor de si para que hoje pudéssemos estar aqui, frente a um dos projetos mais importantes para o Brasil”. E completou: “É importante que o Brasil conheça a repercussão que sse projeto terá a partir de agora, e o quanto vai transformar o país daqui para a frente”.

Já o presidente da República, Michel Temer, diz que estava diante do que ele considera ser o ápice da modernização de governo. “É um momento extraordinário do país. O Brasil já está no século XXI. Cumprimentos a todos que colocaram seu entusiasmo neste projeto”.

Infraestrutura completa

Com a entrega da estrutura operacional do COPE-P, fica completa a infraestrutura terrestre do SGDC, que compreende ainda o Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S), no Rio de Janeiro, e as Gateways (estações de acesso) em Campo Grande (MS), Florianópolis (SC) e Salvador (BA).  A segunda e última etapa do COPE-P consistirá na entrega das áreas administrativas do complexo, não impeditivas para o início das operações via satélite. Esta entrega final está prevista para o primeiro semestre de 2019.

Construído para servir como centro de controle para o SGDC e com a disponibilidade de atender outros satélites geoestacionários e de baixa órbita programados no projeto SGDC, o COPE-P, instalado na Base da Aeronáutica, se torna uma referência nacional e internacional pela complexidade e modernidade de suas instalações.  A estrutura contempla um “bunker” para acomodação da área de data center com resistência contra choques balísticos, situações de ataque ou imprevistos da natureza. É uma obra de extrema importância para o projeto SGDC.

Os principais objetivos desse projeto são fornecer conectividade de internet em banda Ka a escolas públicas, unidades de saúde, postos de fronteiras, áreas indígenas e quilombolas dentro do Programa ‘Internet para Todos’; atender o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) em todo o Brasil, incluindo os locais carentes e remotos; e promover segurança nas comunicações estratégicas do Estado brasileiro. Parte de uso do satélite ocorre em banda X para atendimento às comunicações e projetos militares estratégicos de defesa nacional.

O COPE-P possui um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o SGDC. A área total construída é de mais de 14 mil metros quadrados sendo 4,5 mil metros quadrados de bloco técnico-operacional.  Todos os contratos firmados para construção da infraestrutura terrestre do projeto SGDC (dois COPEs e três Gateways) não sofreram aditivos de valores. Mais de 30 processos licitatórios foram geridos de forma amplamente transparente, sem a existência de recursos judiciais em nenhuma das etapas de cada processo. Todos os processos internos de fiscalização, gerenciamento e aquisições foram auditados pela Controladoria Geral da União (CGU) sem pendências. E o Tribunal de Contas da União (TCU) acompanhou o desenvolvimento da obra do COPE-P desde a elaboração dos projetos executivos, sendo este um marco pioneiro no setor público. Todos os contratos O investimento nos Centros de Operações Espaciais de Brasília (COPE-P) e do Rio de Janeiro (COPE-S), somam quase R$ 600 milhões.

Certificação Tier IV

O Centro de Operações Espaciais Principal da Telebras abriga um dos data centers para operação do satélite brasileiro, em Brasília, que recebeu a certificação TIER IV do Uptime Institute, localizado em Seattle, Estados Unidos. A classificação TIER IV é o mais alto nível de disponibilidade e confiabilidade que um data center pode oferecer numa instalação de missão crítica. É conhecida como Fault Tolerant (tolerante a falhas), a qual deixa o site imune a qualquer paralisação de infraestrutura. Essa certificação, conquistada pela Telebras, foi concedida de forma inédita a uma empresa do setor público no Brasil.

BIM

O COPE-P teve seu projeto desenvolvido utilizando o BIM (Building Information Modeling), tecnologia pioneira no setor público brasileiro. Trata-se de uma ferramenta cada vez mais relevante em obras públicas por fornecer maior transparência nos custos, no controle das implantações e na gestão e no monitoramento da obra. Ao evitar o desperdício e o retrabalho com a detecção de interferências ainda na fase de projeto, a execução de obras públicas ganha

significativa eficiência. As informações sobre os equipamentos e seus respectivos ciclos de vida também auxiliam na manutenção eficiente de prédios públicos. Por tais motivos, o uso desta tecnologia no setor público brasileiro traz inovações em termos de transparência e eficiência de processos. Com isso, todas as alterações e medições do projeto são feitas utilizando essa ferramenta, controlando o andamento financeiro da obra em compatibilidade com o desenvolvimento físico. Ao final, a obra será entregue em BIM 6D, com informações referentes à controle físico-financeiro da obra, orçamento, as built (processo de recuperação das informações da obra) e informações sobre ciclo de vida, manutenção e garantias de todos os equipamentos do data center.

Isso coloca a Telebras, empresa estratégica de telecomunicações e satélite do Estado brasileiro, como uma das melhores provedoras de serviços digitais protegidos do Brasil e detentora de tecnologia de alto desempenho e confiabilidade.

Gateways

Há, ainda, cinco gateways, que são estações que fazem a interconexão entre o satélite e os clientes. São estações do segmento terrestre do SGDC, assim como os Centros de Operações Espaciais (COPEs), que ficam em Brasília e no Rio de Janeiro. Sem as Gateways se torna impossível o atendimento aos clientes, pois as estações são imprescindíveis para estabelecer conectividade em banda larga, levando, assim, a internet até os lugares de difícil acesso. Elas estão instaladas em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis (SC), Campo Grande (MS) e Salvador (BA).

Estações CMS

O sistema do SGDC conta também com oito Estações CMS – Carrier Monitoring System – (em português: Sistema de Monitoramento de Tráfego) espalhadas por locais estratégicos do território nacional estão concluídas e com equipamentos instalados. Elas servem para realizar a telemetria do SGDC.

Crédito Fotos: MCTIC

Telebras comemora 46 anos de história

9 de novembro de 2018

Há 46 anos nascia a Telebras, a empresa que tem a missão de fomentar e difundir o uso e o fornecimento de bens e serviços de tecnologias de informação e comunicação no Brasil. O aniversário da empresa foi comemorado nesta sexta-feira, 9, em cerimônia especial para os colaboradores no auditório do Ministério do Esporte, com transmissão ao vivo pelo YouTube.

Na oportunidade, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, relembrou a história da Companhia, que teve início com o desafio de integrar operadoras de comunicação. “Criamos um padrão de comunicação para a população”, disse.

“A estrutura regulatória da Telebras a colocou como uma empresa estratégica de Estado, fornecendo segurança nas comunicações por meio de provedores, independente da rede que será utilizada. Estamos falando de tecnologia nacional, com algoritmos criados pela Abin [Agência Brasileira de Inteligência], garantindo informações seguras em qualquer lugar do Brasil”, acrescentou Jarbas Valente.

Além da Diretoria Executiva da empresa, também marcou presença na cerimônia o presidente do Conselho de Administração da Telebras, Maximiliano Martinhão. Ele enfantizou os projetos que a Telebras tem feito e a atuação do governo federal para garantir os investimentos nas atividades da empresa. “Quando o Conselho [de Administração] olha para a Diretoria Executiva e para o corpo funcional, vê uma competência construída ao longo desses 46 anos. São pessoas que assumiram a responsabilidade de ampliar a banda larga. É possível ver com clareza a vontade de todos em fazer a Telebras acontecer”, concluiu.

Pioneirismo e estratégia

Para o presidente, a Telebras ocupa um papel fundamental como empresa de mercado que desenvolve papel estratégico de negócios. “É por isso que estamos atuando em todas as frentes: terra (Rede Terrestre de Fibra Óptica), céu (Satélite Geoestacionário Brasileiro) e mar (Cabo Submarino).

Avanços

Por mais de quatro décadas, a Telebras tem investido em infraestrutura tecnológica e processos para melhoria das atividades. Na segunda-feira, 6 de novembro, o Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), de Brasília, recebeu o prêmio de “Melhor Prestação de Serviço Digital no Setor Público” na edição latinoamericana do DataCenter Dynamics Awards 2018.

Além de ganhar o “Oscar” da indústria de data center, as ações de destaque da empresa incluem a ampliação da rede de fibras ópticas e o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC 1), cujo objetivo é atender 100% o mercado de governo e também a sociedade. “Ao todo, serão três satélites responsáveis por levar internet banda larga para todos os cantos do país, auxiliando na saúde, na educação, na economia, na segurança e no acesso à informação”, disse Jarbas Valente.

O processo licitatório da parte terrestre do SGDC envolveu mais de 35 licitações e cerca de 450 milhões de investimento. “Todos os prazos foram cumpridos com lisura de contratos. Todos os contratos foram tratados om muita transparência e tranquilidade, sem nenhum aditivo contratual”, explicou Jarbas Valente.

Além disso, a Telebras também está negociando o Cabo Submarino Brasil-Europa, que atenderá a demanda por neutralidade de dados da internet e ampliará a distribuição do sinal nas regiões brasileiras. Atualmente, o quadro da empresa conta com 380 profissionais atuando em Brasília (DF), Belém (PA), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS).

Confira a galeria de fotos no Flickr.

Representantes da Telebras e do Consórcio Sat 3D entregam Kits escolares na obra do COPE P

9 de fevereiro de 2018

A sexta-feira (9) foi de estímulo à equipe que participa da construção do Centro de Operações Espaciais Principal de Brasília, o COPE P. Cerca de 60 Kits escolares foram entregues a filhos de colaboradores que participam da construção da obra.

Na oportunidade, a Telebras esteve representada pelo diretor Comercial, Rômulo Barbosa e pelos engenheiros Sebastião do Nascimento Neto, Rodrigo Botelho, e Gabriel Polanzzo. O Consórcio Sat 3D, responsável pela obra, contou com a presença dos diretores e gerentes das empresas participantes: Almeida França, Paulo Octávio e Projeman.

“São profissionais que merecem nosso reconhecimento porque, assim como as nossas empresas, eles ajudam a construir o Brasil”, ressaltou Barbosa.

EFICIÊNCIA E PLANEJAMENTO

23 de janeiro de 2018

Obras pertencentes ao Projeto do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica – SGDC – encontram-se dentro do cronograma planejado

Os Centros de Operações Espaciais (COPEs) estão com as obras adiantadas. O modelo de gestão executado servirá de base para futuras auditorias realizadas pelo Tribunal de Contas da União – TCU – em obras do poder público. A ferramenta BIM –Building Information Modeling, em português, Modelagem da Informação da Construção, influenciou no sucesso desse planejamento. O sistema permite prever os pontos críticos com o cruzamento de informações de arquitetura integrada à engenharia e à sustentabilidade, pois elimina desperdícios de material e retrabalhos.

A obra é gerida por uma equipe de oito engenheiros da Telebras e está sendo um desafio para todos os envolvidos, por seu alto grau de complexidade e criticidade.

COPE-P

O projeto arquitetônico do COPE-P foi concebido para lembrar o formato de um satélite e já conta com a antena principal posicionada em local definitivo. A estrutura contempla um banker para acomodação da área de data center com resistência contra choques balísticos, situações de ataque ou imprevistos da natureza.

Para o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, é um desafio para a Companhia colocar em prática uma obra desta dimensão. “Tirar do papel é missão para quem acredita definitivamente em seus projetos. A Telebras tem essa ótica diante do SGDC e do projeto como um todo. A parte terrestre é fundamental e também complexa, em termos de segurança, estrutura e funcionalidade. Diante do cenário atual de recursos disponíveis, podemos dizer que a Companhia está sendo ousada e corajosa. É uma execução de duração centenária que ficará para o país, como uma obra de extrema importância para o Projeto SGDC e para a Telebras. O NOC, por exemplo, será transferido para o Cope P, e contará com uma estrutura quatro vezes maior que a atual”, diz Max.

A área do Centro Integrado de Gerência de Rede (CIGR), que controla todo o gerenciamento de rede da Telebras, que hoje conta com 24 posições, dobrará de tamanho no novo bloco operacional.

COPE-S

O Centro de Operações Espaciais Secundário, COPE-S, considerado o backup da operação terrestre do Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC, também está em fase adiantada de construção. A obra ocupa mais de sete mil metros quadrados da área da Marinha.

“É com expectativa que visualizamos a conclusão adiantada de mais este projeto. O sucesso no andamento das obras se deve muito ao controle rigoroso de prazos e gastos de nossos profissionais”, lembra Martinhão.

 Gateways

As Gateways são estações que fazem a interconexão entre o Satélite e os clientes. São estações do segmento solo do SGDC, assim como os Centros de Operações Espaciais (COPE’s), que ficam em Brasília e no Rio de Janeiro. Sem as Gateways se torna impossível o atendimento aos clientes, pois as estações são imprescindíveis para levar internet aos lugares de difícil acesso.

A previsão é de que as Gateways de Florianópolis, Salvador e Campo Grande sejam concluídas até março de 2018. Os COPEs de Brasília e Rio de Janeiro também exercerão essa função de interconexão, já em condições de operação pelas estruturas provisórias.

Estações CMS

As oito Estações CMS – Carrier Monitoring System- (em português: Sistema de Monitoramento de Tráfego) espalhadas por locais estratégicos do território nacional estão concluídas e com equipamentos instalados. Elas servem para realizar a telemetria do SGDC.

Visitas

Os assessores da presidência, Leonardo Zago, Marcus Fabricio Borghezani e Gregory Bunn visitaram as obras do COPE-P na última quinta-feira, 17 de janeiro. Foram recepcionados pelos engenheiros Rodrigo Machado e João Luiz Ramalho.

Na ocasião percorreram toda a obra e ficaram impressionados com a grandiosidade e grau de eficiência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obras do Centro de Operações Espaciais do RJ estão 45 dias adiantadas

27 de novembro de 2017

Presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, visitou o COPE-S acompanhado do Diretor Técnico Operacional, Jarbas Valente

Na tarde da última quarta-feira, 22, o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, esteve na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, onde está sendo construído o Centro de Operações Espaciais Secundário, o COPE-S. Esta é a segunda vez, em dois meses de gestão, que o presidente da Companhia visita a obra, considerada o backup da operação terrestre do Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC. Antes da visita ao COPE-S, Martinhão esteve no Escritório Regional do RJ, onde foi recepcionado pela gerente Soraia Emery de Carvalho Braga e sua equipe.

Maximiliano esteve no COPE-S acompanhado do diretor Técnico Operacional, Jarbas Valente. Na oportunidade eles avaliaram o andamento das obras que ocupam mais de sete mil metros quadrados da área da Marinha. A previsão da entrega operacional do COPE S é agosto de 2018.

O Centro de Operações Espaciais do Rio de Janeiro está orçado em R$ 90 milhões e conta com cerca de 250 funcionários nesta etapa. “Estamos com 45 dias de adiantamento em relação ao cronograma aprovado pela Telebras. É com expectativa que visualizamos a conclusão adiantada de mais este projeto de tamanha dimensão. O controle rígido de prazos e gastos com que a obra vem sendo administrada permitem esse momento exitoso de nossa Companhia”, lembra Martinhão.

O engenheiro Antônio Rogério Silva, especialista em Gestão de Telecomunicações da Telebras, demonstrou satisfação pela visita da Diretoria. “Ficamos muito felizes em recebê-los. É uma oportunidade para relatar nosso orgulho de estarmos contribuindo para este importante projeto da empresa”, diz.

 

COPE P – Brasília está com as obras adiantadas em 63 dias 

O Centro de Operações Espaciais Principal está sendo construído em Brasília, na Base da Aeronáutica. A entrega operacional do COPE-P também está prevista para agosto de 2018. A obra está situada em uma área de 15 mil metros quadrados. Depois de entrar em funcionamento, o COPE-P contará com cerca de 300 colaboradores, divididos em três turnos.
A obra do COPE-P está orçada em R$ 163 milhões, considerando a construção, fornecimento, instalação de equipamentos e as duplas abordagens elétricas e ópticas. Nesta obra o adiantamento dos trabalhos é ainda maior: 63 dias. A função do COPE-P é a de controle e monitoramento do Satélite e também de provimento dos serviços de Banda Larga, em banda Ka, além do controle da Banda X, através do Ministério da Defesa.

 Segundo o gerente de Engenharia e Operação de Satélites, Sebastião do Nascimento Neto, o andamento acelerado das obras é uma indicação de que o esforço concentrado das diversas áreas da Telebras começa a ser coroado. “Em breve estaremos operando a todo vapor levando Internet banda larga a todo território nacional”, comemora.

Para o engenheiro Rodrigo Botelho, gerente de Infraestruturas e Manutenção da Planta, “2017 foi um ano em que a Telebras teve a oportunidade de mostrar a que veio. Tiramos o Projeto SGDC do papel e trouxemos para a realidade. Esta e outras obras nos dão a certeza de que tudo está fluindo, da melhor forma possível”, enfatiza.

Futuros Engenheiros de Telecomunicações também visitaram o COPE-S

Nesta semana, alunos do curso de Engenharia de Telecomunicações da Universidade Federal Fluminense do Rio de Janeiro também visitaram o COPE S. Os universitários demonstraram interesse em entender a construção do Centro de Operações Espaciais e fizeram perguntas sobre o Satélite e a Telebras. Os colaboradores da Companhia, Alex, Fabio, Gabriel e Jonny, ex-alunos da mesma instituição, recepcionaram os estudantes.

 
Página 1 de 212