Telebras inaugura a operacionalização do COPE do RJ

16 de novembro de 2018

A obra terrestre de grande magnitude do Projeto SGDC (Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas), orçada em R$ 450 milhões, começa a ser inaugurada operacionalmente na próxima segunda-feira, 19, pelo Rio de Janeiro, com o Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S). O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, a Diretoria Executiva da Telebras e demais gestores da empresa marcarão presença à solenidade, que inicia às 11h, na Estação Rádio da Marinha do Rio de Janeiro (ERMRJ).

“A Telebras foi designada pelo Governo Federal como a entidade responsável pelo desenvolvimento, implantação e participação, em conjunto com a Defesa, na operação do sistema de Satélite. O Projeto SGDC é uma conquista para a nação brasileira, que leva a assinatura da Telebras, a empresa pioneira em telecomunicações no Brasil. A conclusão de todas as etapas, envolvendo obras desta dimensão, significa muito para todos nós”, conta Jarbas Valente, presidente da Telebras.

Com a conclusão do segmento terrestre, que se soma ao segmento satelital com o artefato que já se encontra em órbita desde maio de 2017, o Estado passa a deter o controle sobre a infraestrutura do projeto como um todo por meio da qual passam a trafegar informações sensíveis e estratégicas para o Brasil.

O COPE-S possui alto nível de disponibilidade e confiabilidade para a infraestrutura de uma instalação de missão crítica, tendo classificação TIER III que deixa o site imune a qualquer paralisação de infraestrutura. Isso significa dizer que qualquer componente ou sistema pode ser retirado de serviço seja por defeito, manutenção, reparo ou substituição sem que haja impacto para os processos de TI dos ambientes críticos do Data Center. Esta arquitetura permite ultrapassar os piores cenários de incidentes técnicos sem nunca interromper a disponibilidade dos servidores.

“Trata-se da proteção à soberania nacional, na medida em que a comunicação via satélite constitui um recurso escasso, de alta complexidade tecnológica e vital para a defesa dos interesses nacionais e o desenvolvimento econômico, social e político do país”, ressalta o presidente da Telebras.

A TV NBR estará transmitindo ao vivo a solenidade pelos canais: Net – Canal 14, Sky- Canal 23 e sinal aberto – Canal 2.2. Por streaming o endereço é: www.nbr.gov.br.

Presidente da Telebras assina Termo de Adesão à Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P)

28 de setembro de 2018

Com a presença dos colaboradores da Telebras, foi assinado na manhã desta sexta-feira, 28, no Ministério do Esporte, o Termo de Adesão ao Programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P). A formalização do ato contou com a presença do ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, do diretor do Departamento de Inclusão Digital da Secretaria de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Américo Tristão Bernardes e da Diretoria Executiva da Telebras.
 
O diretor de Governança da Telebras, Rômulo Barbosa, abriu a solenidade com uma reflexão sobre o papel dos cidadãos com relação ao meio ambiente. “O que estamos plantando para assegurar que as gerações vindouras ainda encontrem um planeta habitável?”, questionou.
 
Ele aproveitou para lembrar que a cartilha da A3P faz menção à progressão do processo de adoção das medidas. “O aspecto mais importante relacionado à responsabilidade socioambiental é entender que ela é mais do que um conceito. Trata-se de um processo contínuo e progressivo de desenvolvimento de competências cidadãs para o avanço em direção à sustentabilidade no âmbito da administração pública”.
 
O presidente da Telebras, Jarbas Valente, enfatizou o papel da sustentabilidade nos órgãos governamentais. “O tema tem sido cada vez mais um diferencial da nova gestão pública, onde os administradores passam a ser os novos agentes de mudança. E a Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P é uma importante ferramenta para promover a reflexão sobre os problemas ambientais em todas as esferas da Administração Pública”, disse.
 
Jarbas Valente acrescentou que a Telebras, nos últimos anos, já vem adotando critérios preventivos sob a ótica da sustentabilidade. Um dos exemplos citados foram as obras de engenharia da parte terrestre do SGDC. “As obras, realizadas em cinco capitais brasileiras, tiveram o descarte dos entulhos em locais homologados e indicados pelos órgãos legais, preservando possíveis danos ambientais”, destacou.
 
Representando o Ministério da Ciência, Tecnologia, inovações e Comunicações (MCTIC), Américo Tristão Bernardes reforçou que a Telebras e o Ministério já vêm adotando medidas no sentido de preservação. “Já estamos recolhendo todos os computadores em desuso para reciclagem e esse exemplo já diz muito. Só em Brasília, no mês de junho, foram recolhidas 61 toneladas de aparelhos eletrônicos dos órgãos públicos sem utilidade. Esse material é encaminhado para o Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC), para reaproveitamento ou descarte adequado. A Telebras já vem colaborando com o importante papel de conectar o Ministério do Meio Ambiente, para que o monitoramento do patrimônio natural brasileiro aconteça. O ato de hoje confirma a consciência sustentável da Telebras e do MCTIC”, ressaltou.
 
O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, concluiu a solenidade lembrando que o Brasil, por sua extensa dimensão territorial, pode contribuir como modelo em gestão de sustentabilidade. “O Brasil é um importante ator no cenário internacional, sobretudo no que diz respeito ao debate ambiental. Precisamos ser exemplo para os demais países. Para manter gestos sustentáveis é necessário que consolidemos nossas ações cotidianas. São essas atitudes que transformarão o Brasil em um país melhor”.
 
Crédito Foto: Paulo de Araújo/MMA

Telebras está presente na segunda edição da EXPO TIC

4 de setembro de 2018

Um dia dedicado a abordar um assunto relevante e que vem movimentando, cada vez mais, a economia do país. Está sendo realizado nesta terça-feira, 4, no auditório do Royal Tulip Brasília Alvorada, em Brasília, a segunda edição da EXPO TIC. O tema deste ano é Transformação Digital – Tecnologia e Negócios.

O evento, que tem o apoio dos Ministérios da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG), do Tribunal de Contas da União (TCU), do Supremo Tribuna Federal (STF), da Telebras, além do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Correios, Dataprev, STI e Serpro, contou com a presença do diretor Técnico-Operacional da Telebras, Roberto Pinto Martins, na mesa de abertura.

Na oportunidade, o diretor falou sobre o Satélite Geoestacionário Brasileiro-SGDC, como parte deste processo de transformação digital pela qual passa o Brasil. Na oportunidade ele explicou que o Satélite tem capacidade para se comunicar com 58 Mbps, com cobertura em todo o território nacional, incluindo a parte marítima.

Sobre a participação no evento, Roberto ressaltou que a EXPO TIC reúne os principais parceiros de governo da companhia. “A Telebras é a prestadora de serviços de telecomunicações, com segurança e confiabilidade, e os demais órgãos prestam mais diretamente os serviços aos cidadãos. Há uma compatibilidade imensa entre o trabalho que a Telebras desenvolve e os serviços de telecomunicações que estes órgãos de governo contratam para prestar serviços à sociedade. Muito importante debatermos assuntos da área em conjunto”, concluiu.

A programação reúne cerca de 300 participantes. O público alvo são executivos, gerentes e profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicações de Brasília.

“Estamos transformando as políticas públicas de inclusão digital, através do SGDC”, diz diretor da Telebras, em Congresso Latinoamericano de Satélites

14 de agosto de 2018

Encontro discute o presente e o futuro do mercado satelital

Começou na manhã desta terça-feira, 14, no Hotel Windsor Barra, no Rio de Janeiro, o 17º Congresso Latinoamericano de Satélites. Entre os participantes de hoje estão o diretor Comercial da Telebras, Alex Magalhães e a gerente geral da Viasat para o Brasil e vice-presidente para a América Latina, Lisa Scalpone. Eles fizeram parte de um painel sobre as perspectivas para o satélite brasileiro em uso comercial. O evento segue até amanhã, 15.

Para Alex, o objetivo do Satélite Geoestacionário Brasileiro, SGDC, é o de dar ao governo federal as condições de cumprir seu papel social e de retribuir para a sociedade os impostos que foram recolhidos e aplicados no equipamento.

“Está no DNA da Telebras massificar a banda larga, atender o Brasil como um todo e dar condições para a sociedade e também aos órgãos de governo, para que consigam melhorar ainda mais a sua gestão, reduzir gastos e aplicar recursos nas áreas essenciais. O SGDC oferece esta oportunidade”, lembra.

Segundo ele, tanto o Satélite quanto a rede terrestre de fibra óptica da Telebras estão atendendo as necessidades de governo e é por esse motivo que a empresa vem renovando contratos na esfera federal. “O Decreto está colocado para todos e é neste sentido que estamos trabalhando.”

O Internet para Todos, um dos carros chefes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, tem o objetivo de levar banda larga para comunidades desassistidas. Na oportunidade, o diretor Comercial enfatizou que o programa chegará a mais de 5 milhões de pessoas, em 40 mil localidades que não têm nenhum tipo de conexão, nem mesmo telefone fixo.

“Queremos dar condições para que a internet chegue com um valor acessível. Assim que o SGDC estiver operacionalizando poderemos cumprir o contrato Gesac e levaremos internet às escolas, postos de saúde e áreas de fronteira de nosso país.”

Ele fez referência ao período em que o Satélite está sem uso por conta do processo judicial que ainda impede a operacionalização do SGDC. “Se tivéssemos mantido o cronograma de instalação desde março deste ano, hoje mais de 6 mil escolas já teriam as antenas instaladas, o que representa mais de um milhão de alunos que não têm como receber o sinal”, lamentou.

Alex citou outras áreas que irão ganhar atenção do governo a partir da conectividade via Satélite da Telebras. “Queremos investir no serviço ao cidadão com uma carteira digital, que é uma bandeira do Ministério do Trabalho, para que, com isso, o Brasil passe a ter um banco de dados previdenciário. Também queremos melhorar o acesso que a plataforma Dataprev tem, levando as consultas de beneficiários, pensionistas e aposentados a uma atualização rápida e precisa. Um dos objetivos é conectar, ainda, os órgãos que tratam a biodiversidade brasileira, como Ibama, ICMBio, serviço florestal brasileiro, e todos os órgãos envolvidos, para que tragam resultados para a biodiversidade, catalogando, fiscalizando e permitindo que os recursos sejam controlados e investidos, aonde, de fato, sejam necessários. Precisamos conectar vários serviços, inclusive as penitenciárias que ficam em locais remotos. E, com a mesma ênfase, dar uma atenção especial ao agronegócio, setor que garante o PIB brasileiro. Sem conectividade as aplicações via IOT não poderão alcançar a cadeia produtiva do agronegócio. Estamos tentando transformar as políticas públicas, usando o SGDC”, concluiu.

Também estão presentes, representando a Telebras no evento, o diretor Técnico-Operacional, Roberto Pinto Martins; o chefe de Gabinete, Luiz Fernando Ferreira Silva; e os gerentes Sebastião do Nascimento Neto, de Engenharia de Operação de Satélites; Bruno Henriques Soares, de Tecnologia e Soluções Satelitais e Hélcio Vieira Júnior, de Relacionamento com Operadoras e Parceiros.

Viasat: parceira comercial da Telebras

Já Lisa Scalpone lembrou que a empresa americana sente-se honrada em fazer parte da indústria de internet do Brasil. “Estamos convencidos de que a conexão de internet oferecida pelo satélite SGDC vai trazer grandes benefícios para os brasileiros. O foco da Viasat sempre tem sido conectar os desconectados. Nós, da Viasat, estamos muito entusiasmados para iniciar este trabalho no Brasil.”

Para reforçar a parceria de negócios com a Telebras, Lisa falou sobre a empresa americana, explicando que a Viasat é constituída por 5 mil funcionários. Scalpone contou que a empresa existe há 30 anos e que foi fundada por Mark Dankberg e Mark Miller, na garagem de casa do Mark Dankberg. Mark Dankberg ainda é o CEO, e o Mark Miller é ainda nosso CTO. Foi Miller quem desenhou todos os nossos satélites”.

Pioneirismo

“Fomos a primeira empresa a oferecer internet por satélite por 50 dólares economicamente acessível para as massas. Outro exemplo, é que fomos os primeiros a fornecer conexões de rede WiFi por 1 ou 2 dólares como algo que é de nosso interesse investir globalmente. Estamos construindo dois satélites com capacidade em terabits. Nesta perspectiva estamos continuamente buscando novos desafios”, enfatizou.

Visiona

Pela parte da manhã, após a abertura do evento, o presidente da Visiona, João Paulo Campos, fez palestra sobre ‘Modelo de novos satélites’.

O mundo dos satélites está mudando radicalmente. Novas constelações de média e baixa órbita (MEO e LEO) abrem novas possibilidades.

João Paulo abordou o tema, discutindo a chegada da era dos nanosatélites e suas novas utilidades, além da comunicação tradicional.

Sobre o evento:

O Congresso Latinoamericano de Satélites é o principal e mais relevante evento para o mercado de satélites da América Latina. O evento congrega mais de 300 participantes, incluindo os principais executivos das operadoras globais de satélite que atuam no Brasil, convidados internacionais, reguladores, governo e usuários nas áreas aeroespacial, transporte aeroviário, óleo e gás, setor financeiro, estatais e operadoras de telecom. Há 17 edições, o encontro é presença obrigatória para quem participa da indústria ou demanda soluções.

Na edição deste ano, o foco é o debate ampliado sobre o impacto das constelações LEO e MEO no mercado de satélites de comunicação, as constelações dedicadas a sensoriamento remoto e observação, o chamamento para novas posições orbitais, além dos debates sobre os novos nichos de mercado, como comunicação embarcada, backhaul para redes de telecomunicações, o mercado de vídeo IP entre outros temas.

Telebras derruba na Justiça pedido da Oi de suspensão do contrato com a Dataprev

9 de agosto de 2018

A juíza Luciana Tolentino de Moura, da 7ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, acolheu a manifestação preliminar da Telebras na última segunda-feira, 6, indeferiu a petição da Oi para suspensão do contrato estabelecido entre a companhia e a Dataprev, em março de 2017, e decidiu pelo arquivamento do processo.

Na ação, a Oi questionava a contratação direta da Telebras para a prestação de serviços de telecomunicações à Dataprev, alegando que essa contratação se deu “a partir da aplicação genérica e descontextualizada do Decreto nº 8.135/2013”.

Na manifestação, a Telebras argumentou a ilegitimidade da Oi para a petição por não ser parte envolvida e por não poder questionar se o referido contrato é ou não lesivo ao patrimônio público. Defendeu ainda que o referido decreto, em síntese, aponta que as comunicações de dados da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional deverão ser realizadas por redes de telecomunicações e serviços de tecnologia da informação fornecidos por órgãos ou entidades da própria Administração Pública Federal, incluindo empresas públicas e sociedades de economia mista, como é o caso da Telebras.

 
Página 1 de 41234