Imprimir Imprimir

Entrega da infraestrutura do COPE-P completa a base terrestre do projeto SGDC

17 de dezembro de 2018

A manhã desta segunda-feira, 17, foi marcada pela entrega operacional do Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), localizado no antigo Comando Aéreo Regional de Brasília (VI Comar). O COPE-P é um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC.

Na oportunidade, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, falou do futuro promissor para as telecomunicações brasileiras a partir do projeto SGDC. “Daqui para frente virá o desafio de finalmente conectarmos este imenso país, de ponta a ponta, sem restrição de localidades, sejam elas populosas ou não. Todos passarão a ter igualdade de informações, por meio do Programa Internet para Todos, e acesso ao progresso”, disse.

Já o ministro da Defesa (MD), Joaquim Silva e Luna, lembrou que o COPE-P já é parte da estrutura do Comando de Operações Aeroespaciais (Comae). “O projeto SGDC assegura ao Brasil a autonomia de lançamento e operação. As comunicações passam a ser seguras e soberanas. Estamos inserindo o Brasil na economia do espaço em escala mundial. A parceria entre Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), MD e Força Aérea Brasileira transformaram este projeto em motivo de orgulho para todos nós”, enfatizou.

Gilberto Kassab, ministro do MCTIC, ressaltou que o projeto SGDC foi muito bem coordenado. “Todos deram o melhor de si para que hoje pudéssemos estar aqui, frente a um dos projetos mais importantes para o Brasil”. E completou: “É importante que o Brasil conheça a repercussão que sse projeto terá a partir de agora, e o quanto vai transformar o país daqui para a frente”.

Já o presidente da República, Michel Temer, diz que estava diante do que ele considera ser o ápice da modernização de governo. “É um momento extraordinário do país. O Brasil já está no século XXI. Cumprimentos a todos que colocaram seu entusiasmo neste projeto”.

Infraestrutura completa

Com a entrega da estrutura operacional do COPE-P, fica completa a infraestrutura terrestre do SGDC, que compreende ainda o Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S), no Rio de Janeiro, e as Gateways (estações de acesso) em Campo Grande (MS), Florianópolis (SC) e Salvador (BA).  A segunda e última etapa do COPE-P consistirá na entrega das áreas administrativas do complexo, não impeditivas para o início das operações via satélite. Esta entrega final está prevista para o primeiro semestre de 2019.

Construído para servir como centro de controle para o SGDC e com a disponibilidade de atender outros satélites geoestacionários e de baixa órbita programados no projeto SGDC, o COPE-P, instalado na Base da Aeronáutica, se torna uma referência nacional e internacional pela complexidade e modernidade de suas instalações.  A estrutura contempla um “bunker” para acomodação da área de data center com resistência contra choques balísticos, situações de ataque ou imprevistos da natureza. É uma obra de extrema importância para o projeto SGDC.

Os principais objetivos desse projeto são fornecer conectividade de internet em banda Ka a escolas públicas, unidades de saúde, postos de fronteiras, áreas indígenas e quilombolas dentro do Programa ‘Internet para Todos’; atender o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) em todo o Brasil, incluindo os locais carentes e remotos; e promover segurança nas comunicações estratégicas do Estado brasileiro. Parte de uso do satélite ocorre em banda X para atendimento às comunicações e projetos militares estratégicos de defesa nacional.

O COPE-P possui um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o SGDC. A área total construída é de mais de 14 mil metros quadrados sendo 4,5 mil metros quadrados de bloco técnico-operacional.  Todos os contratos firmados para construção da infraestrutura terrestre do projeto SGDC (dois COPEs e três Gateways) não sofreram aditivos de valores. Mais de 30 processos licitatórios foram geridos de forma amplamente transparente, sem a existência de recursos judiciais em nenhuma das etapas de cada processo. Todos os processos internos de fiscalização, gerenciamento e aquisições foram auditados pela Controladoria Geral da União (CGU) sem pendências. E o Tribunal de Contas da União (TCU) acompanhou o desenvolvimento da obra do COPE-P desde a elaboração dos projetos executivos, sendo este um marco pioneiro no setor público. Todos os contratos O investimento nos Centros de Operações Espaciais de Brasília (COPE-P) e do Rio de Janeiro (COPE-S), somam quase R$ 600 milhões.

Certificação Tier IV

O Centro de Operações Espaciais Principal da Telebras abriga um dos data centers para operação do satélite brasileiro, em Brasília, que recebeu a certificação TIER IV do Uptime Institute, localizado em Seattle, Estados Unidos. A classificação TIER IV é o mais alto nível de disponibilidade e confiabilidade que um data center pode oferecer numa instalação de missão crítica. É conhecida como Fault Tolerant (tolerante a falhas), a qual deixa o site imune a qualquer paralisação de infraestrutura. Essa certificação, conquistada pela Telebras, foi concedida de forma inédita a uma empresa do setor público no Brasil.

BIM

O COPE-P teve seu projeto desenvolvido utilizando o BIM (Building Information Modeling), tecnologia pioneira no setor público brasileiro. Trata-se de uma ferramenta cada vez mais relevante em obras públicas por fornecer maior transparência nos custos, no controle das implantações e na gestão e no monitoramento da obra. Ao evitar o desperdício e o retrabalho com a detecção de interferências ainda na fase de projeto, a execução de obras públicas ganha

significativa eficiência. As informações sobre os equipamentos e seus respectivos ciclos de vida também auxiliam na manutenção eficiente de prédios públicos. Por tais motivos, o uso desta tecnologia no setor público brasileiro traz inovações em termos de transparência e eficiência de processos. Com isso, todas as alterações e medições do projeto são feitas utilizando essa ferramenta, controlando o andamento financeiro da obra em compatibilidade com o desenvolvimento físico. Ao final, a obra será entregue em BIM 6D, com informações referentes à controle físico-financeiro da obra, orçamento, as built (processo de recuperação das informações da obra) e informações sobre ciclo de vida, manutenção e garantias de todos os equipamentos do data center.

Isso coloca a Telebras, empresa estratégica de telecomunicações e satélite do Estado brasileiro, como uma das melhores provedoras de serviços digitais protegidos do Brasil e detentora de tecnologia de alto desempenho e confiabilidade.

Gateways

Há, ainda, cinco gateways, que são estações que fazem a interconexão entre o satélite e os clientes. São estações do segmento terrestre do SGDC, assim como os Centros de Operações Espaciais (COPEs), que ficam em Brasília e no Rio de Janeiro. Sem as Gateways se torna impossível o atendimento aos clientes, pois as estações são imprescindíveis para estabelecer conectividade em banda larga, levando, assim, a internet até os lugares de difícil acesso. Elas estão instaladas em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis (SC), Campo Grande (MS) e Salvador (BA).

Estações CMS

O sistema do SGDC conta também com oito Estações CMS – Carrier Monitoring System – (em português: Sistema de Monitoramento de Tráfego) espalhadas por locais estratégicos do território nacional estão concluídas e com equipamentos instalados. Elas servem para realizar a telemetria do SGDC.

Crédito Fotos: MCTIC

 

Deixe um comentário!

*required

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>