Telebras e Viasat celebram Contrato Estratégico para avançar no uso comercial da capacidade do SGDC-1

26 de fevereiro de 2018

 

A parceria foca na condução da inclusão digital pelo Brasil, tornando a Internet acessível e disponível a todos

Brasília, DF, e CARLSBAD, Calif., 26 de Fevereiro de 2018 – Telebras (B3/Bovespa: TELB3 & TELB4), uma sociedade de economia mista de telecomunicações, e Viasat Inc. (NASDAQ: VSAT), uma empresa de comunicações global, anunciam hoje um contrato estratégico de capacidade satelital de longo prazo, assinado em 23 de fevereiro de 2018, para avançar no uso comercial da capacidade da banda Ka do SGDC-1 (Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas) que, em última instância, trará internet de alta velocidade e acessível para comunidades não atendidas em cinturões urbanos, bem como em áreas rurais e remotas em todo o Brasil.

A Telebras, vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), tem sua parcela de responsabilidade na implementação de políticas públicas, tais como o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), Gesac (Eletrônico Governo – Serviço de Atendimento ao Cidadão), Educação Conectada e Internet para Todos. A Telebras é proprietária do SGDC-1, o maior Satélite HTS (High Throughput Satellite) com cobertura em todo o território brasileiro e áreas costeiras, com aproximadamente 58 Gbps, o que representa a soma da capacidade de todos os satélites operacionais que atualmente cobrem o Brasil. A Viasat é uma das maiores operadoras de satélites do mundo, com vasta experiência e liderança neste mercado. Com sede na cidade de Carlsbad, Califórnia, EUA, a Companhia oferece serviços de banda larga residencial, empresarial e governamental, usando seus próprios satélites.

Com a publicação do Decreto no. 7.175/2010, que estabeleceu o PNBL, o governo federal brasileiro apresentou sua iniciativa de promover o acesso universal à Internet de banda larga em todo o País, particularmente nas regiões que não são atendidas por esta tecnologia. Coube à Telebras implementar a rede privativa da administração pública federal, prestar suporte a políticas públicas de conectividade com a internet, prover infraestrutura e rede de apoio a serviços de telecomunicações para entidades privadas, públicas e sem fins lucrativos e prestar serviços de conectividade de internet de banda larga para usuários finais, apenas nos locais em que não existe uma oferta adequada para esses serviços.

O contrato entre a Telebras e a Viasat compreende serviços e equipamentos fornecidos pela Viasat e o uso de 100% da capacidade da banda Ka do SGDC-1, oferecendo acesso à banda larga de qualidade em todo o Brasil. A parceria permitirá que a Telebras aumente sua relevância na implementação de políticas públicas, promovendo a integração social e o desenvolvimento econômico no País. A parceria combinará a capacidade em banda Ka do SGDC-1 com o conhecimento e experiência em implantação de infraestrutura da Viasat, de forma escalável, permitindo acesso à Internet de qualidade a preços acessíveis em comunidades onde estes serviços são deficientes ou indisponíveis.

Para avançar no uso comercial da capacidade da banda Ka do SGDC-1 existe uma soma de esforços do Governo Federal, liderado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, nas pessoas do Exmo. Sr. Presidente da República, Michel Temer e do ministro Gilberto Kassab, e a Telebras. O projeto é uma continuidade do trabalho que vem sendo desenvolvido nos últimos anos, no sentido de levar conectividade ao Brasil de forma igualitária e bem distribuída. O projeto SGDC faz parte do propósito maior do Governo Federal, que é a busca do desenvolvimento a partir de um Brasil que interage com o mercado global e com todas as plataformas de conectividade capazes de abrir portas para o progresso.

Ao longo dos últimos anos, a Telebras assinou parcerias no Brasil para a integração e compartilhamento da rede de telecomunicações terrestre (backbone e backhaul) para chegar a lugares de difícil acesso à internet. Com a atual parceria, a Telebras reafirma seu compromisso de atender seus clientes onde quer que estejam, com ênfase especial nos Programas do Governo Federal, como Gesac, Educação Conectada e Internet para Todos, o que levará a conectividade para mais de 50 mil entidades públicas, tais como escolas, postos de saúde, postos da fronteira, etc., beneficiando milhões de brasileiros, incluindo comunidades indígenas e quilombolas.

Nos termos da parceria, a Viasat alavancará a rede satelital do SGDC-1 para explorar serviços de satélite em comunidades isoladas, por meio de WiFi Hotspots de acesso à Internet de baixo custo, além de explorar os mercados residencial, empresarial e de aviação. A parceria estratégica da Telebras-Viasat proporcionará maior competitividade ao mercado brasileiro de Internet em banda larga via satélite, à medida em que a Viasat antecipará sua entrada no Brasil, gerando uma maior oferta de serviços, produtos e preços em qualquer região do País.

“A parceria com a Viasat nos permite estabelecer a infraestrutura necessária para trazer comunicações de dados de grande alcance, confiáveis ​​e de alta velocidade para os brasileiros – mesmo nas regiões mais distantes do País, menos povoadas”, disse Maximiliano Martinhão, presidente da Telebras. “Nós acreditamos que, em conjunto com a Viasat, poderemos cumprir a missão da Telebras nas políticas públicas: levar Internet acessível a todos, ao mesmo tempo em que criamos o futuro global competitivo do Brasil através da criação de emprego, desenvolvimento de habilidades e redução das disparidades socioeconômicas criadas por falta de acesso à Internet em todas as regiões. Este acordo significa confiança na recuperação da economia brasileira e na capacidade da Telebras de alcançar seus objetivos com os acionistas, com o mercado e com a sociedade brasileira”.

“Sempre estivemos lado a lado com a Telebras. Como Governo, estamos empolgados e confiantes com o projeto SGDC. Com esta parceria as empresas saberão conduzir este grande trabalho e trarão uma nova realidade de conectividade ao Brasil. É um novo tempo que começa e ele promete conexões rápidas e seguras entre os brasileiros. É um período de avanço econômico e social que alcançará todo o território brasileiro. Nossa expectativa é grande e estamos certos de que este modelo servirá de exemplo e será um marco para a nação”, disse Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

“Estamos extremamente satisfeitos em colaborar com a Telebras na entrega de internet de banda larga acessível no Brasil”, disse Mark Dankberg, presidente do conselho de administração e CEO da Viasat. “Estamos empenhados em contribuir com o Brasil para ressaltar as oportunidades e benefícios que podem ser alcançados conectando o País. Acreditamos que a Telebras é um excelente parceiro para nos ajudar a atingir os locais com as maiores necessidades para efetivamente causar o maior impacto”.

O modelo da parceria atende às premissas definidas pela diretoria executiva e pelo Conselho de Administração da Telebras, aprovadas em seu plano de negócios. A parceria entre empresas visa explorar uma oportunidade de negócio associada à singularidade do parceiro estratégico, com fundamento na lei das estatais (Lei nº 13.303/2016).

A Viasat já operou com sucesso 14 milhões de Hotspots em 30 países e já implantou serviços Wi-Fi via satélite de baixo custo cobrindo centenas de milhares de pessoas em várias comunidades do México rural, onde o serviço de Internet não estava disponível. Essa experiência faz da Viasat uma empresa singular na cooperação com a Telebras para tornar a Internet acessível e disponível no Brasil.

A parceria foi estruturada em um modelo de compartilhamento de receita, no qual a Telebras espera gerar mais de R$ 3,3 bilhões em receitas para a empresa nos próximos anos.

Disponibilidade

Os equipamentos da Viasat serão enviados ainda em fevereiro de 2018 para o Brasil. Os primeiros serviços devem ser ativados em abril de 2018.

Sobre a Telebras

A Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras) é uma sociedade de economia mista controlada pelo Governo brasileiro, que tem entre seus objetivos, implementar o PNBL, a fim de massificar o acesso à Internet em banda larga, conectando todos os 5.570 municípios do Brasil. Além disso, a Telebras é o braço de execução de políticas públicas de telecomunicações (por exemplo, Gesac, Educação Conectada e Internet para Todos) no Brasil. A Companhia mantém mais de 28 mil km de fibra óptica em sua rede principal (backbone) de fibra no Brasil. Para saber mais sobre a Telebras, visite: www.telebras.com.br, ou siga a Telebras nas redes  sociais: FacebookInstagramLinkedInTwitter ou YouTube.

Sobre a Viasat

A Viasat é uma empresa de comunicações global que acredita que todos no mundo podem ser conectados. Por mais de 30 anos, a Viasat ajuda a moldar como consumidores, empresas, governos e militares em todo o mundo se comunicam. Hoje, a Viasat está desenvolvendo uma rede de comunicações global para gerar conexões rápidas, acessíveis, e de alta qualidade para impactar a vida das pessoas em qualquer lugar: no solo, no ar ou no mar. Para saber mais sobre o Viasat, visite: www.viasat.com, vá para o Viasat’s Corporate Blog, ou siga a Viasat nas redes sociais: Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter ou YouTube.

Declarações prospectivas

É relevante mencionar que este comunicado contém expectativas da administração da Telebras, que podem constituir projeções sobre eventos futuros, que envolvem riscos, incertezas e fatos, conhecidos ou não, ou seja, declarações prospectivas.

As declarações prospectivas incluem, entre outros, declarações sobre os futuros planos, operações, desempenho e receitas potenciais esperadas da parceria entre a Viasat e a Telebras, suas perspectivas de negócios e a expansão e crescimento dos mercados de Internet em banda larga.  Os resultados reais podem diferir materialmente daqueles expressados em declarações prospectivas, pois estas declarações não são fatos históricos e representam apenas as expectativas atuais da Telebras em relação a tais assuntos. Essas declarações envolvem inerentemente uma ampla gama de riscos e incertezas conhecidos e desconhecidos.

Os fatores que podem modificar os resultados prospectados incluem, entre outros: a capacidade das partes em integrar e operar com sucesso a parceria e alcançar sinergias esperadas e outros benefícios; a capacidade de atrair e reter funcionários-chave para a parceria; o impacto da concorrência; a capacidade de desenvolver produtos e tecnologias; o impacto das mudanças nos mercados financeiros e nas condições econômicas globais; riscos associados à operação da infraestrutura do segmento terrestre da Viasat; riscos associados à operação do satélite da Telebras, que deve ser usado para fornecer novos serviços de Internet, incluindo o efeito de qualquer anomalia, falha operacional ou degradação no desempenho do satélite; demanda reduzida de produtos como resultado de restrições às despesas de capital dos clientes; mudanças nos relacionamentos com ou na condição financeira de clientes principais ou fornecedores; dependência de um número limitado de terceiros para fabricar e fornecer produtos; nível de endividamento da Viasat e capacidade de cumprir os compromissos de dívida aplicáveis; e outros fatores que podem ser detalhados de tempos em tempos nos anúncios públicos de ambas companhias e nos registros da SEC e CVM. Consulte os fatores de risco da Telebras nos arquivos da CVM e da B3, disponíveis em bvmf.bmfbovespa.com.br, incluindo o Formulário de Referência mais recente da Telebras. Os fatores de risco da Viasat estão disponíveis nos arquivos SEC, podendo ser acessados em www.sec.gov, incluindo o Relatório Anual mais recente da Viasat.

Contatos na Telebras:

Janice Palao, Assessoria de Imprensa, +55 61 2027-1053, janice.palao@telebras.com.br

Gregory Bunn, Assessoria de Relações com Investidores, +55 61 2017-1055, gregory.bunn@telebras.com.br

Contatos na Viasat, Inc.:

Chris Phillips, Relações Públicas, +1 760-476-2322, chris.phillips@viasat.com

June Harrison, Relações com Investidores, +1 760-476-2633, IR@viasat.com

Encerra amanhã o curso sobre Gestão de Riscos e Controle Interno da Telebras

22 de fevereiro de 2018

Meta é envolver 50% dos colaboradores na proposta até o fim do ano

Serão cinco dias de curso, com atividades intensas de troca de conhecimento e informações sobre Gestão de Riscos e Controle Interno. Participam, nesta etapa, 48 colaboradores. A iniciativa é da Governança da Telebras e conta com o apoio da Controladoria Geral da União. O objetivo é integrar a gestão de riscos à estratégia e ao controle interno da Companhia.

“Temos como meta atingir um nível de maturidade em governança corporativa, que garanta a credibilidade da empresa”, disse o gerente de Governança da Telebras, José Humberto Soares.

O coordenador do Núcleo de Gestão de Riscos da Governança, Luiz Borda, está satisfeito com os resultados até o momento. “O curso está atendendo às expectativas, na medida que capacita todos os níveis de colaboradores da Telebras”, diz.

O curso encerra nesta sexta-feira (23) e está sendo realizado no Centro de Capacitação e Desenvolvimento da Presidência da República.

Confira mais fotos do curso AQUI

Max participa de comitiva presidencial em São Paulo

15 de fevereiro de 2018

Max participa de comitiva presidencial em São Paulo

O presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, acompanha, nesta quinta-feira (15), em São Paulo, a comitiva do presidente da República, Michel Temer e do Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

Eles estão na capital paulista para conhecer as obras da nova fonte de luz síncrotron, Sirius, um projeto do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).  Há pouco foi realizada uma dinâmica com as autoridades.

O Projeto Sirius

Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira, será a maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no País e uma das primeiras fontes de luz síncrotron de 4ª geração do mundo. É planejada para colocar o Brasil na liderança mundial de produção de luz síncrotron e foi projetada para ter o maior brilho dentre todos os equipamentos na sua classe de energia.

Representantes da Telebras e do Consórcio Sat 3D entregam Kits escolares na obra do COPE P

9 de fevereiro de 2018

A sexta-feira (9) foi de estímulo à equipe que participa da construção do Centro de Operações Espaciais Principal de Brasília, o COPE P. Cerca de 60 Kits escolares foram entregues a filhos de colaboradores que participam da construção da obra.

Na oportunidade, a Telebras esteve representada pelo diretor Comercial, Rômulo Barbosa e pelos engenheiros Sebastião do Nascimento Neto, Rodrigo Botelho, e Gabriel Polanzzo. O Consórcio Sat 3D, responsável pela obra, contou com a presença dos diretores e gerentes das empresas participantes: Almeida França, Paulo Octávio e Projeman.

“São profissionais que merecem nosso reconhecimento porque, assim como as nossas empresas, eles ajudam a construir o Brasil”, ressaltou Barbosa.

“Temos que aproveitar este momento tecnológico para desenvolver produtos no Brasil”, diz Maximiliano Martinhão, em assinatura de acordo para unidade de semicondutores

6 de fevereiro de 2018

O presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, e o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, participaram, nesta segunda-feira (5) da assinatura de acordo de joint venture das fabricantes de semicondutores Qualcomm e USI para instalar, em São Paulo, uma fábrica de chips para smartphones e dispositivos de “internet das coisas”.

Para o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, o Brasil carece da indústria de IoT e uma fábrica na área de semicondutores pode trazer muitos benefícios, pois tem o viés de promover a pesquisa e o desenvolvimento no país. “O mercado de IoT no Brasil está crescendo em uma velocidade muito rápida. Temos que aproveitar este momento tecnológico para desenvolver produtos aqui. Existe uma expectativa de que até 2025 este nicho vai gerar ao país, U$ 200 bilhões. A partir da riqueza que existe em todo este mercado, o Brasil está atraindo investimentos e desenvolvimento tecnológico, além de equilíbrio na balança comercial”, enfatizou Max.

Durante o evento, Kassab destacou a retomada dos investimentos estrangeiros no país. “Que essa parceria sirva de incentivo aqueles que estão na iminência de iniciar novos projetos. É hora de o Brasil crescer. Chegou o momento de acreditarmos no país e gerarmos mais empregos”.

Com previsão de investimentos de US$ 200 milhões, a nova fábrica deve começar a operar a partir de 2020 e deve gerar entre 800 e 1 mil empregos qualificados. A estimativa para início da operação coincide com o prazo para execução do Plano Nacional de Internet das Coisas, projeto do para alavancar o setor, que deve conectar todos os objetos à nossa volta, no Brasil.

“Cada vez mais, as pessoas e os empresários voltam a acreditar no Brasil. O que acontece aqui é o início de um grande projeto que trará não apenas tecnologia, mas formará recursos humanos dentro e fora do Brasil para que a gente possa introduzir o que há de mais necessário para desenvolver o país”, declarou Kassab.

O local de instalação da planta ainda não está definido, mas de acordo com Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm para a América Latina, provavelmente a fábrica ficará na região de Campinas, no interior de São Paulo.