Telebras e Secid entregam rede de fibra óptica dos Corredores de BRT Norte-Sul e Leste-Oeste em Recife

19 de dezembro de 2018

A Telebras e a Secretaria Estadual das Cidades promoveram, na manhã desta quarta-feira, 19, em Recife (PE), a entrega da rede de fibra óptica instalada nos Corredores de BRT Norte-Sul e Leste-Oeste. A ação é fruto do convênio firmado entre a Telebras, Grande Recife e Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Com a implantação, as 42 estações de BRT da Região Metropolitana passam a contar com vídeo-monitoramento em tempo real, além do controle de dispositivos de aberturas e fechamentos de portas, ar-condicionado e sistema de som.

Para a implantação da fibra óptica nos dois corredores de BRT, foi aproveitada a infraestrutura de dutos que já existiam no local. Além de implantar toda a fibra óptica ao longo dos corredores, a Telebras realizou as obras necessárias para a finalização da estrutura existente.

“Através dos Corredores de BRT, esta rede de fibra óptica cruza vários municípios da Região Metropolitana. Isso nos dá a possibilidade de, no futuro, ampliar esta iniciativa para mais cidades do Estado. Queremos levar internet boa e de baixo custo para todos”, comentou o presidente da Telebras, Jarbas Valente.

“Iniciamos as conversas com a Telebras a partir do momento que o governador Paulo Câmara nos autorizou a buscar, em Brasília, os recursos necessários para a iniciativa. Não existe custo para o Governo de Pernambuco neste projeto. Todo o investimento, de aproximadamente R$ 15 milhões, vem direto do Governo Federal”, afirmou o secretário das Cidades, Francisco Papaléo, durante a solenidade.

A rede irá auxiliar o Sistema Inteligente de Monitoramento da Operação (Simop) do Grande Recife. Cada estação de BRT é equipada com quatro câmeras internas e uma externa. Com a estrutura os equipamentos podem, agora, transmitir ao vivo as imagens tanto para a Central de Monitoramento do Consórcio, quanto para o Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciods), da Secretaria de Defesa Social.

“Com esta novidade, o usuário poderá saber, em tempo real, quantos minutos o BRT levará para chegar, uma vez que a informação estará disponível no monitor presente à Estação e no aplicativo do Grande Recife que já está disponível para a população”, disse o diretor presidente do Consórcio, Ruy Rocha.

Além da implantação do material nos dois Corredores, foi disponibilizada também fibra óptica em toda a malha do metrô do Recife, onde existem 14 Terminais Integrados de ônibus. Toda esta malha representa mais de 140km de fibra óptica, ampliando significativamente a conectividade entre os modais ônibus/metrô de Pernambuco. Entre os benefícios que podem ser citados com a implantação da fibra óptica está a possibilidade de disponibilização de internet gratuita (Wi-Fi) aos usuários das estações de BRT e de Terminais Integrados.

Um dado importante é que toda a malha da fibra óptica está conectada à Central Tecnológica da Agência Estadual de Tecnologia da Informação (ATI). Dessa forma, foi ampliada significativamente a abrangência de coberturas das redes de comunicação do Governo do Estado.

A partir de agora, o Grande Recife poderá colocar em funcionamento todas as soluções tecnológicas previstas no projeto do Simop, permitindo, dessa forma, o acompanhamento da operação das linhas do Sistema de Transporte Público do Recife e Região Metropolitana.

Estiveram presentes à solenidade o secretário das Cidades, Francisco Papaléo, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, e o diretor Técnico-Operacional da empresa, Luis Fernando de Freitas Assumpção.

Crédito Fotos: Raul Buarque – Recife

Entrega da infraestrutura do COPE-P completa a base terrestre do projeto SGDC

17 de dezembro de 2018

A manhã desta segunda-feira, 17, foi marcada pela entrega operacional do Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), localizado no antigo Comando Aéreo Regional de Brasília (VI Comar). O COPE-P é um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC.

Na oportunidade, o presidente da Telebras, Jarbas Valente, falou do futuro promissor para as telecomunicações brasileiras a partir do projeto SGDC. “Daqui para frente virá o desafio de finalmente conectarmos este imenso país, de ponta a ponta, sem restrição de localidades, sejam elas populosas ou não. Todos passarão a ter igualdade de informações, por meio do Programa Internet para Todos, e acesso ao progresso”, disse.

Já o ministro da Defesa (MD), Joaquim Silva e Luna, lembrou que o COPE-P já é parte da estrutura do Comando de Operações Aeroespaciais (Comae). “O projeto SGDC assegura ao Brasil a autonomia de lançamento e operação. As comunicações passam a ser seguras e soberanas. Estamos inserindo o Brasil na economia do espaço em escala mundial. A parceria entre Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), MD e Força Aérea Brasileira transformaram este projeto em motivo de orgulho para todos nós”, enfatizou.

Gilberto Kassab, ministro do MCTIC, ressaltou que o projeto SGDC foi muito bem coordenado. “Todos deram o melhor de si para que hoje pudéssemos estar aqui, frente a um dos projetos mais importantes para o Brasil”. E completou: “É importante que o Brasil conheça a repercussão que sse projeto terá a partir de agora, e o quanto vai transformar o país daqui para a frente”.

Já o presidente da República, Michel Temer, diz que estava diante do que ele considera ser o ápice da modernização de governo. “É um momento extraordinário do país. O Brasil já está no século XXI. Cumprimentos a todos que colocaram seu entusiasmo neste projeto”.

Infraestrutura completa

Com a entrega da estrutura operacional do COPE-P, fica completa a infraestrutura terrestre do SGDC, que compreende ainda o Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S), no Rio de Janeiro, e as Gateways (estações de acesso) em Campo Grande (MS), Florianópolis (SC) e Salvador (BA).  A segunda e última etapa do COPE-P consistirá na entrega das áreas administrativas do complexo, não impeditivas para o início das operações via satélite. Esta entrega final está prevista para o primeiro semestre de 2019.

Construído para servir como centro de controle para o SGDC e com a disponibilidade de atender outros satélites geoestacionários e de baixa órbita programados no projeto SGDC, o COPE-P, instalado na Base da Aeronáutica, se torna uma referência nacional e internacional pela complexidade e modernidade de suas instalações.  A estrutura contempla um “bunker” para acomodação da área de data center com resistência contra choques balísticos, situações de ataque ou imprevistos da natureza. É uma obra de extrema importância para o projeto SGDC.

Os principais objetivos desse projeto são fornecer conectividade de internet em banda Ka a escolas públicas, unidades de saúde, postos de fronteiras, áreas indígenas e quilombolas dentro do Programa ‘Internet para Todos’; atender o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) em todo o Brasil, incluindo os locais carentes e remotos; e promover segurança nas comunicações estratégicas do Estado brasileiro. Parte de uso do satélite ocorre em banda X para atendimento às comunicações e projetos militares estratégicos de defesa nacional.

O COPE-P possui um conjunto de edificações que servirá para operar e monitorar o SGDC. A área total construída é de mais de 14 mil metros quadrados sendo 4,5 mil metros quadrados de bloco técnico-operacional.  Todos os contratos firmados para construção da infraestrutura terrestre do projeto SGDC (dois COPEs e três Gateways) não sofreram aditivos de valores. Mais de 30 processos licitatórios foram geridos de forma amplamente transparente, sem a existência de recursos judiciais em nenhuma das etapas de cada processo. Todos os processos internos de fiscalização, gerenciamento e aquisições foram auditados pela Controladoria Geral da União (CGU) sem pendências. E o Tribunal de Contas da União (TCU) acompanhou o desenvolvimento da obra do COPE-P desde a elaboração dos projetos executivos, sendo este um marco pioneiro no setor público. Todos os contratos O investimento nos Centros de Operações Espaciais de Brasília (COPE-P) e do Rio de Janeiro (COPE-S), somam quase R$ 600 milhões.

Certificação Tier IV

O Centro de Operações Espaciais Principal da Telebras abriga um dos data centers para operação do satélite brasileiro, em Brasília, que recebeu a certificação TIER IV do Uptime Institute, localizado em Seattle, Estados Unidos. A classificação TIER IV é o mais alto nível de disponibilidade e confiabilidade que um data center pode oferecer numa instalação de missão crítica. É conhecida como Fault Tolerant (tolerante a falhas), a qual deixa o site imune a qualquer paralisação de infraestrutura. Essa certificação, conquistada pela Telebras, foi concedida de forma inédita a uma empresa do setor público no Brasil.

BIM

O COPE-P teve seu projeto desenvolvido utilizando o BIM (Building Information Modeling), tecnologia pioneira no setor público brasileiro. Trata-se de uma ferramenta cada vez mais relevante em obras públicas por fornecer maior transparência nos custos, no controle das implantações e na gestão e no monitoramento da obra. Ao evitar o desperdício e o retrabalho com a detecção de interferências ainda na fase de projeto, a execução de obras públicas ganha

significativa eficiência. As informações sobre os equipamentos e seus respectivos ciclos de vida também auxiliam na manutenção eficiente de prédios públicos. Por tais motivos, o uso desta tecnologia no setor público brasileiro traz inovações em termos de transparência e eficiência de processos. Com isso, todas as alterações e medições do projeto são feitas utilizando essa ferramenta, controlando o andamento financeiro da obra em compatibilidade com o desenvolvimento físico. Ao final, a obra será entregue em BIM 6D, com informações referentes à controle físico-financeiro da obra, orçamento, as built (processo de recuperação das informações da obra) e informações sobre ciclo de vida, manutenção e garantias de todos os equipamentos do data center.

Isso coloca a Telebras, empresa estratégica de telecomunicações e satélite do Estado brasileiro, como uma das melhores provedoras de serviços digitais protegidos do Brasil e detentora de tecnologia de alto desempenho e confiabilidade.

Gateways

Há, ainda, cinco gateways, que são estações que fazem a interconexão entre o satélite e os clientes. São estações do segmento terrestre do SGDC, assim como os Centros de Operações Espaciais (COPEs), que ficam em Brasília e no Rio de Janeiro. Sem as Gateways se torna impossível o atendimento aos clientes, pois as estações são imprescindíveis para estabelecer conectividade em banda larga, levando, assim, a internet até os lugares de difícil acesso. Elas estão instaladas em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis (SC), Campo Grande (MS) e Salvador (BA).

Estações CMS

O sistema do SGDC conta também com oito Estações CMS – Carrier Monitoring System – (em português: Sistema de Monitoramento de Tráfego) espalhadas por locais estratégicos do território nacional estão concluídas e com equipamentos instalados. Elas servem para realizar a telemetria do SGDC.

Crédito Fotos: MCTIC

Decisão do TCU sobre contrato entre Telebras e Viasat vira jurisprudência

7 de dezembro de 2018

Tribunal confirmou a legalidade do contrato celebrado pela Telebras com a empresa americana. Decisão ganha destaque no informativo de licitações e contratos do Tribunal

Após intensa disputa judicial envolvendo a legalidade do contrato firmado com a empresa americana Viasat, a Telebras obteve a confirmação da legalidade do ajuste aos termos da nova Lei das Estatais 13.303/2016.

A decisão foi tomada pelo Plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) em 31 de outubro deste ano. Diante da relevância e da novidade da matéria, o Acórdão, que destaca a Telebras como pioneira na implementação da Lei, passa a servir de orientação para todas as outras empresas estatais.

“Foi um caso que demandou energia e dedicação de todos os profissionais envolvidos na instrução do caso. A decisão ressalta a conformidade do processo desenvolvido pela Telebras e representa um verdadeiro paradigma à atuação de todas as estatais à luz da nova legislação”, diz Gabriel Bianchi, gerente Jurídico da companhia.

Em trecho do Informativo de Licitações e Contratos de nº 358, do TCU, o relator do processo, ministro Benjamin Zymler, ao avaliar a parceria celebrada pela Telebras, constatou que, “no caso concreto, a análise da parceria levou em conta o histórico da empresa parceira, a modelagem estabelecida pelas partes, as premissas estabelecidas pela Diretoria e pelo Conselho de Administração, os pareceres jurídicos e o plano de negócios da Telebras, sempre com vistas à consecução dos objetivos do Programa Nacional de Banda Larga.”

A íntegra do Informativo nº 358 pode ser conferida aqui.

Relembre o primeiro caso que virou jurisprudência

Vale lembrar que em 5 de outubro de 2017, o Tribunal de Contas já havia publicado em seu Boletim Informativo outra decisão favorável à Telebras. Naquela ocasião, a Corte julgou lícito o Chamamento Público realizado pela Telebras para comercialização de capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, o SGDC. Confira aqui a reportagem completa sobre esse caso.

Luis Fernando de Freitas é o novo diretor Técnico-Operacional da Telebras

3 de dezembro de 2018

Numa solenidade simples, mas prestigiada por gerentes e colaboradores, a Diretoria Executiva da Telebras deu posse ao engenheiro Luis Fernando de Freitas Assumpção na diretoria Técnico-Operacional (DTO), na tarde desta segunda-feira, 3. Roberto Pinto Martins, que ocupava a diretoria desde 25 de abril, assume o cargo de assessor do Presidente.

 

Perfil

Nome: Luis Fernando de Freitas

Cidade Natal: Fernandópolis, interior de São Paulo

Formação: Engenharia Elétrica – UnB, especialização em Telecomunicações, pós-graduação em Engenharia de Redes e Sistemas Computacionais. Em conclusão de MBA em Gestão de Negócios pela FGV e em conclusão da dissertação de mestrado em Engenharia Elétrica.

Carreira: Estagiário na empresa Lafarge, Aneel e Americel. Como profissional, Americel, Claro, Brasil Telecom e Oi.

Experiências fora do país: Canadá, México e Estados Unidos pela Claro e China pela Brasil Telecom

“Acredito na equipe, no time como um todo, nas pessoas. O ambiente de trabalho rende muito mais quando ele é prazeroso e focado em resultados. É no trabalho que passamos a maior parte de nossas vidas. É preciso fazer valer a pena”- disse Luis Fernando de Freitas.

Telebras é certificada pelo salto no Indicador de Governança das Estatais

29 de novembro de 2018

Os resultados da 3ª Certificação do Indicador de Governança IG-SEST, instrumento de acompanhamento contínuo da governança das Empresas Estatais Federais de controle direto da União, foram divulgados pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP).

Neste terceiro ciclo, as regras foram mais rígidas. O questionário para avaliação contou com 25 questões inéditas de um total de 50 questões e aumentou para 54 o número de empresas estatais avaliadas. A média das notas das estatais subiu de 6,93 pontos no segundo ciclo para 7,00 pontos neste terceiro ciclo.  A Telebras, que na segunda avaliação teve 6,1 de nota final, avançou para expressivos 7,24 pontos (vide gráfico abaixo).

A cada três meses, a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST/MP) mede as melhorias das empresas estatais utilizando como instrumento de controle contínuo o Indicador de Governança – IG-SEST, em cumprimento aos requisitos exigidos pela Lei nº 13.303/2016 (denominada Lei das Estatais) e diretrizes estabelecidas nas Resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União, que buscam implementar as melhores práticas de mercado e maior nível de excelência em governança corporativa nas Empresas Estatais Federais.

A metodologia aplicada é composta pelas seguintes dimensões: gestão, controle e auditoria; transparência das informações e, por fim, conselhos, comitês e diretoria. Segundo a metodologia, a partir de resultados apresentados no período são aferidas notas de classificação e certificação da empresa.

Para o diretor de Governança da Telebras, Rômulo Barbosa, essa avaliação do Indicador de Governança demonstra a capacidade que os colaboradores têm de superação e trabalho e aponta que a Companhia está totalmente integrada à Lei das Estatais. “Este salto qualitativo é exemplo de determinação de cada um, dos gerentes e dos diretores em potencializar a gestão, o desempenho operacional e a sustentabilidade da Telebras”, completou o diretor.

 
Página 1 de 1312345...10...Última »